E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Estado Islâmico divulga vídeo mostrando a execução de dois espiões russos por uma criança.

Dias depois do ataque ao jornal Charlie Hebdo na França, foi divulgado nesta terça-feira na internet pelo Estado Islâmico (EI) um vídeo que mostra uma criança matando a tiros dois espiões russos na Síria, que tinham se infiltrado no grupo jihadista. A autenticidade do vídeo não pode ser comprovada.
A gravação, transmitida pela "produtora" do EI Al-Hayat com mais de sete minutos de duração, termina com o assassinato dos dois supostos agentes, que se identificaram como Jambulat Yesenjanovich Mamayev e Sergey Nikolayavich Ashimov ao serem questionados por um interlocutor ao qual confessaram serem agentes da espionagem russa.

Intitulado "Descobrindo um inimigo interno", o vídeo começa com uma narração em russo, legendada em inglês e árabe, e acusa os "inimigos" do grupo de pensar que podem "enviar espiões e agentes para conspirar" contra o EI.
Depois, é mostrado o primeiro interrogatório, de Mamayev, que confessa ser natural do Cazaquistão e ter chegado à Síria para se aproximar de um combatente do EI.
Ele também reconhece que sua missão era "coletar informações sobre combatentes russos e mandá-las à Rússia".
Além disso, ele confessou ter passado por Istambul, onde teve contato com vários agentes turcos, antes de se unir ao EI.
O segundo interrogado, cuja nacionalidade não é mencionada, reconhece ter trabalhado na Rússia para os serviços de inteligência desse país durante oito meses "contra os muçulmanos".
Ele afirmou ter sido enviado para transmitir informações sobre combatentes, "determinar o lugar de residência do líder do EI", Abu Bakr al Bagdadi, e além disso "matar" um membro do grupo cujo nome foi omitido na edição do vídeo.
Após os interrogatórios, o vídeo mostra um menino usando uma jaqueta preta e calça camuflada e armado com uma pistola, atrás dos supostos agentes.
Ele aparece ao lado de um homem que cita versículos corânicos, para tentar justificar religiosamente a condenação à morte dos dois homens.
Finalizado o discurso, o menor se aproxima de Mamayev e Ashimov e faz disparos em suas cabeças.
Depois, é mostrada parte de outro vídeo propagandístico no qual aparece o jovem, que diz se chamar Abdullah, ser original do Cazaquistão e no futuro querer ser um "mujahedin".
É o primeiro vídeo divulgado pelo EI no qual é mostrada uma criança supostamente assassinando reféns.