E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Marvel libera trailer oficial de Vingadores 2

Os Vingadores estão juntos novamente. No primeiro filme Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Viúva Negra e Gavião Arqueiro enfrentaram o ataque de um exército vindo de outra dimensão e comandado por Loki que quase destruiu Nova York. Na sequência, quem ameaça a humanidade é um exército de robôs liderado por Ultron, personagem bem conhecido do universo da Marvel. 
Nos quadrinhos, Ultron vê as imperfeições e defeitos da humanidade e pretende destruí-los. O primeiro teaser do filme vazou na internet quarta-feira (22), alguns dias antes do planejado. A Marvel Studios decidiu então divulgar o trailer. Dirigido por Joss Whedon, o filme conta com a participação de Chris Hemsworth, Chris Evans, Scarlett Johansson e Samuel L. Jackson, além de novos personagens interpretados por Elizabeth Olsen e Aaron Taylor Johnson. Avengers: Age of Ultron estreia nos cinemas dia 1º de maio de 2015.

Tucanos e petistas brigam no centro de SP

Na versão online d'O Globo:
Militantes tucanos e petistas entraram em confronto no início da tarde desta quinta-feira em frente ao Theatro Municipal, no Centro de São Paulo. A confusão aconteceu quando um grupo com cerca de 500 simpatizantes do presidenciável Aécio Neves (PSDB) chegou ao local depois de uma caminhada que começou na Praça da Sé.
Ao se depararem com cerca de 50 petistas que faziam campanha para a presidente Dilma Rousseff, com bandeiras e distribuição de material de campanha, um dos cabos eleitorais de Aécio atirou uma bandeira em direção a um correligionário de Dilma. O militante petista, então, revidou contra o ônibus no qual os apoiadores do PSDB estavam embarcados.
Nesse momento, cerca de dez militantes tucanos desceram e começaram a dar socos e pontapés contra os petistas, que também desferiram agressões contra os adversários. A briga, que durou cerca de cinco minutos, só terminou quando os guardas civis metropolitanos chegaram para separar. Os tucanos foram embora e os petistas continuaram no local. Ninguém foi detido.
Sobre a briga entre petistas e tucanos, Milton Flávio, presidente do Diretório paulistano do PSDB e um dos organizadores do ato em prol de Aécio, disse que já havia cruzado com correligionários de Dilma em três pontos do Centro, entre a Praça da Sé e o Theatro Municipal, sem que houvesse problemas. Disse ainda que só soube do episódio após o ocorrido.
— Quando saímos da (Praça) Sé, logo de cara cruzamos com os nossos adversários. Depois, na (Rua) XV de Novembro e quando chegamos em frente ao Theatro Municipal. Durante esses encontros só houve as provocações normais.
Para Flávio, o que aconteceu no Centro foi um problema durante a dispersão dos militantes tucanos, pois já era sabido que lá no local sempre ficam os petistas.
— Tivemos mais gente no ato do que eles (petistas) têm normalmente lá (no Theatro Municipal). O grande problema foi na dispersão dos militantes. Mas isso não vai prejudicar em nada a campanha de Aécio.
Questionado se o partido é responsável pelos militantes que brigaram com os petistas, o presidente tucano esclareceu que o diretório municipal não tem relação direta nisso.
— Nós não temos verba para contratar militantes. Inclusive só sei de onde vieram porque havia faixas nos ônibus indicando as cidades de origem. A coordenação da campanha de Aécio é independente do PSDB.
A respeito do ato de hoje à noite na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), Flávio não espera que haja qualquer clima de animosidade.
— O ato ocorrerá na parte externa da PUC, até para não provocar confronto. Sabemos que lá têm muitos petistas. Espero que nada aconteça.
Procurada, a Coligação Muda Brasil disse lamentar e repudiar ‘todo e qualquer tipo de violência’. Ressaltou ainda que a campanha se ‘pauta pelo debate de ideias, de forma pacífica e propositiva’.
Por fim, a respeito do episódio, a campanha do tucano afirmou que ‘o ato não foi convocado pela coordenação da Capital’.

Ibope e Datafolha mostram Dilma à frente. Vantagem de petista está além da margem de erro.

O Ibope e o Datafolha divulgaram na tarde desta quinta-feira (23), suas penúltimas pesquisas eleitorais, antes do segundo turno que acontece neste domingo (26). No sábado, os institutos deverão divulgar mais um levantamento. Os números dos dois institutos são bem próximos e mostram, pela primeira vez, que Dilma Rousseff conseguiu abrir vantagem efetiva sobre seu adversário, o tucano Aécio Neves. Agora, Dilma virou o jogo e lidera para além da margem de erro. As pesquisa foram encomendadas pela TV Globo e pelos jornais O Estado de S. Paulo e Folha de São Paulo.
O Ibope aponta os seguintes percentuais de votos válidos:
- Dilma Rousseff (PT): 54%
- Aécio Neves (PSDB): 46%
Íncluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, Dilma tem 49% e Aécio 41%. Brancos e nulos somam 7% e indecisos 3%.
A rejeição de Aécio subiu para 42% e a de Dilma recuou para 36%.
No levantamento anterior do instituto, divulgado no dia 15, Aécio tinha 51% e Dilma, 49%.
O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 203 municípios entre os dias 20 e 22 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95% e a pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01168/2014.
Datafolha
No Datafolha, considerando apenas os votos válidos Dilma tem 53% e Aécio 47%.
No levantamento anterior, divulgado no dia 22, Dilma tinha 52%, e Aécio, 48% dos votos válidos.
Íncluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, Dilma aparece com 48% e Aécio fica com 42%. Brancos e nulos somam 5% e  indecisos 5%
O Datafolha ouviu 9.910 eleitores em 399 municípios nos dia 22 e 23 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01162/2014.
A rejeição de Aécio alcançou 41 pontos percentuais e a de Dilma recuou para 37%.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Vice do PSDB chama Lula de "canalha" e "imbecil"

O vice-presidente nacional do PSDB, Alberto Goldman aumentou o tom das críticas contra o PT na reta final da campanha e chamou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de "canalha" e "imbecil". Segundo o dirigente tucano, Lula tem feito uma "campanha do ódio".
Em texto divulgado pela internet, o vice-presidente do PSDB criticou o discurso feito pelo ex-presidente petista no Recife, nesta terça-feira (21). Ao lado da presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff, Lula comparou comparou os tucanos aos nazistas, responsáveis pelo Holocausto contra os judeus na 2ª Guerra Mundial, e atacou o presidenciável tucano, Aécio Neves.
"Este canalha não tem remédio. Não tem outro nome", afirmou Goldman. "Nunca fizemos qualquer ofensa aos nordestinos. O uso despudorado e distorcido de frases do Aécio (no caso do FHC que em nenhum momento mostrou preconceito contra ninguém, muito menos contra os nordestinos), ultrapassa qualquer limite do aceitável, seja em campanha eleitoral ou em qualquer manifestação. Em segundo lugar porque se utiliza do assassinato de 6 milhões de judeus, inclusive todos meus antepassados, com exceção dos que imigraram ao Brasil, para fazer uma campanha de ódio, aterrorizado pela perspectiva da derrota", escreveu o dirigente tucano.
Goldman reforçou que foi "canalhice" Lula perguntar onde Aécio estava quando Dilma, aos 20 anos, arriscava sua vida na luta contra a ditadura militar. "Na época, imbecil, Aécio tinha 10 anos de idade", disse o dirigente tucano.
O PSDB também soltou uma nota, criticando as declarações feitas pelo ex-presidente no Recife.

Índia vê Brasil como modelo de combate à fome

Na Reuteurs, hoje (22):
A Índia acaba de mandar uma missão espacial para Marte, mas segue tendo a "ambivalente distinção de ser a capital mundial da desnutrição", disse uma alta autoridade indiana nesta quarta-feira, acrescentando que o crescimento econômico sozinho não vai ser suficiente para acabar com a fome.
"A prevalência de crianças com baixo peso na Índia é quase o dobro do que registrado na África subsaariana", disse Vimlendra Sharan, um representante da Índia na Organização das Nações Unidas, disse aos delegados no encontro sobre nutrição em Roma.
Uma a cada três crianças subnutridas do mundo vive na Índia e o país de cerca de 1,2 bilhão de pessoas tem mais de 190 milhões de pessoas subnutridas, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).
Apesar de a situação ter melhorado na última década, a desnutrição segue mesmo com o ritmo maior de crescimento econômico, que não se traduz em melhores taxas de nutrição pelo país, disse.
Para vencer o problema, a Índia recentemente adotou o desafio de ter "fome zero", do qual o Brasil foi pioneiro.
A redistribuição de renda por impostos, subsídios direcionados para as famílias pobres e outras políticas, além do crescimento econômico, auxiliaram o Brasil a praticamente eliminar a desnutrição.
"O Brasil é conhecido como um modelo para o acesso para a agricultura familiar e o financiamento", disse Eduardo Nilson, assessor do Ministério da Saúde do Brasil, para os delegados.
As escolas locais fornecem refeições subsidiadas ou gratuitas para crianças pobres, disse Nilson, e as escolas em si compram a comida de agricultores da região.
"Estamos tentando fazer isso também com hospitais, para estimular a produção local", disse.
Agricultores e residentes rurais são, de maneira contra-intuitiva, aqueles que acabam mais afetados pela insegurança alimentar.
No seu desafio de acabar com a fome, a Índia transformou o acesso à alimentação um direito legal e vê o Brasil como um "modelo", disse Sharan.
"Saímos de um modelo de bem estar social para um modelo baseado em direitos… isso é algo que se destaca."

Marina, aquela que não ia aparecer, aparece hoje no programa de Aécio

Sem aparecer há mais de 20 dias no horário eleitoral, quem deverá dar o ar da graça nesta quarta-feira (22), será Marina Silva, candidata derrotada à presidência pelo PSB. A sonhática falará por mais de dois minutos no programa de Aécio e aparecerá nas inserções do PSDB.
Marina deverá utilizar a arenga de sempre. Que foi violentamente agredida por Dilma e pelo PT, que o PT é useiro e vezeiro desta forma de campanha, que a mesma estratégia "agressiva" está sendo usada para atacar Aécio Neves (PSDB).
Marina deve afirmar ainda que a aliança com Aécio foi "programática". O tucano teria "avançado" em temas como o fim da reeleição para cargos executivos e ampliação de políticas ambientais.
Por quê só agora Marina aparece?
O crescimento de Dilma no sudeste determinou a "virada" numérica nas pesquisas de opinião e fez o tucanato cair na real. Sentiram que precisam usar todas as armas disponíveis para manter a disputa equilibrada.
Aécio viu desaparecer mais de 12 pontos percentuais que tinha de frente e agora os marqueteiros tucanos e marinistas decidiram lançar mão de Marina meio a contragosto.
Mas, o efeito de Marina na TV é incerto. É que os tucanos leram as pesquisas que mostram (1) que o eleitorado em sua esmagadora maioria não costuma seguir candidatos derrotados e (2) apenas Lula consegue influir positivamente em parcelas relevantes do eleitorado. Cerca de 37% dos eleitores dizem cogitar votar em candidatos indicados pelo ex-presidente.
Mas, considerando a estreita margem de votos que separa os candidatos, os marqueteiros resolveram arriscar garimpar alguns votos das classes médias urbanas usando Marina na TV.
Curioso notar que Marina, no primeiro turno, vetou apoios aos tucanos em estados importantes e proibiu até mesmo a confecção de material de campanha conjunto. No segundo turno, anunciou que não iria participar de programas de TV ou subir nos palanques de Aécio. Mas, Marina a mutante, mudou novamente. Ao que parece a "política real" ganhou a queda de braço com a tal "nova política". 

Google lança "Inbox", que promete ser a "evolução dos e-mails"

A Reuters noticiou nesta quarta-feira (22), que o Google lançou um serviço de e-mail chamado "Inbox"  O novo aplicativo promete organizar melhor e-mails e exibir informações como consultas, reservas de voos e entregas de encomendas de uma forma mais amigável para os usuários.
O Google disse que estava enviando convites para usuários selecionados do Gmail para testar o novo serviço. Os usuários também podem enviar um e-mail para a empresa pelo endereço inbox@google.com para obter um convite.
Por enquanto, o novo serviço está sendo fornecido junto ao Gmail, que foi lançado em 2004. Ele estará disponível na Internet, bem como para smartphones com Android e iPhones.
"O Inbox foi feito pelas mesmas pessoas que lhe trouxeram o Gmail, mas ele não é o Gmail: é um tipo completamente diferente de caixa de entrada, projetada para dar foco ao que realmente
importa", disse a empresa em um post em seu blog.
O Google disse que o Inbox exibe atualizações em tempo real para e-mails, mostrando, por exemplo, o status de entrega de itens comprados online.
Ele também mostra lembretes da forma mais acessível e incrementa recursos que já estão disponíveis no Gmail que permitem aos usuários visualizar as compras e extratos bancários agrupados.
A ideia do Inbox é automatizar algumas tarefas e facilitar a vida de quem tem que ler dezenas de e-mails por dia. Entre as principais novidades do Inbox estão:
- Bundles: uma evolução das atuais categorias do Gmail, esse recurso agrupa em uma só linha mensagens similares, como comprovantes bancários, reservas de hoteis e passagens e comprovantes de compra em sites.
Com essa separação, fica mais fácil para o usuário consultar todos esses e-mails e descartá-los de uma só vez, segundo o Google.
- Highlights: o Inbox destaca visualmente o conteúdo mais importante de um e-mail. Em uma mensagem sobre algum evento, por exemplo, local e horário aparecerão em destaque, fora do texto padrão do e-mail. Em alguns casos, o Inbox exibirá até mesmo informações úteis que estão fora da mensagem, como informações em tempo real de voos e envio de pacotes.
- Lembretes: além de lidar com o e-mail, o Inbox também funciona como um aplicativo de anotações rápidas. Ele permite criar lembretes para tarefas comuns, com horário marcado. Caso o usuário esteja sem tempo para ler uma mensagem, o Inbox tem um recurso que pode reexibir a mensagem no horário ou local desejado.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Ofensiva petista dá certo e Datafolha mostra "virada" de Dilma sobre Aécio. 52% a 48%.

Ao que parece a estratégia de assumir posição de confronto com Aécio Neves está sendo positiva para Dilma Rousseff. Pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (20), mostra Dilma numericamente à frente de Aécio. É a primeira vez que isso é registrado neste segundo turno. Segundo a pesquisa, se a eleição fosse hoje Dilma teria 52% dos votos válidos e Aécio ficaria com 48%.
Em votos totais, Dilma teria 46% e Aécio 43%. Brancos e nulos somam 5%. 6% se dizem indecisos.
A avaliação positiva do governo Dilma alcançou seu melhor percentual desde julho do ano passado e está em 42%. Os que consideram o governo regular são 37% e ruim ou péssimo 21%
O Datafolha ouviu 4.389 eleitores em 257 municípios. As entrevistas foram feitas nesta segunda-feira e a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O intervalo de confiança é de 95%. A pesquisa foi registrada no TSE (BR 01140/2014).
Não é complicado entender a virada. Aécio no primeiro turno saiu como "bom moço", afinal Dilma e Marina foram as grandes protagonistas na cena política nacional. Sem ser fustigado, nem ser confrontado com seu passado - pessoal e político - Aécio valeu-se das trapalhadas de Marina para chegar ao segundo turno.
Mas, no mano-a-mano a conversa é outra. Os defeitos, reais ou aparentes, do tucano estão sendo amplificados e devidamente exibidos. Acabou a blindagem que serviu tão bem aos interesses do tucano mineiro e agora, faltando seis dias para tudo ser decidido, Dilma conseguiu equilibrar a disputa e pulverizou a diferença que já foi de mais de oito pontos a favor do tucano.
Considerando a intervenção do TSE, que está coibindo o que considera "agressões", a ofensiva de Dilma deve ser contida e assim, ganha importância o debate na Globo previsto para esta quinta-feira (23). Será a última oportunidade para Aécio recuperar o terreno perdido ou para Dilma confirmar a liderança.

TRE indefere pedido do MPE que pretendia tirar do ar RBA e Rádio Clube

Na sexta-feira (17), o Ministério Público Eleitoral no Pará ajuizou ação cautelar com um curioso pedido. O MPE queria que a Justiça Eleitoral tirasse do ar a RBATV e a Rádio Clube do Pará, afiliadas ao grupo Band e que pertencem aos Barbalhos. Segundo o MPE, as emissoras estariam sendo usadas para fazer propaganda indevida em favor de Helder, candidato do PMDB e filho do senador Jader Barbalho. O MPE, em sua inicial, apontava a "falta de isonomia" no tratamento dado a Helder e Jatene, os dois candidatos que disputam a eleição ao governo do Estado.
Interessante na história é que a TV Liberal, de propriedade dos Maiorana jamais foi alvo de ação parecida. Ao que parece, o MPE considera que a Liberal trata de forma "isonômica" os dois concorrentes, apesar de sua campanha escancarada a favor de Simão Jatene,
A propositura da ação foi anunciada pela ótima Ana Célia Pinheiro, em seu blog A Perereca da Vizinha e a decisão também.
Ana Célia publicou a íntegra a manifestação do desembargador Raimundo Holanda Reis que indefere o pedido do MPE. É de lastimar que, pelo menos neste episódio, o MPE tenha se tornado aliado objetivo do tucanato paraense que vive sua mais aguda crise e, ao que tudo indica, está com seus dias contados.
Segue a íntegra da decisão:

AÇÃO CAUTELAR N.º 3061-79.2014.6.14.0000
REQUERENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL
REQUERIDOS: HELDER ZAHLUTH BARBALHO, JOAQUIM DE LIRA MAIA, JADER FONTENELLE BARBALHO FILHO E CAMILO AFONSO ZAHLUTH CENTENO
DECISÃO
Trata-se de Ação Cautelar Preparatória de Ação de Investigação Judicial Eleitoral - AIJE, proposta pelo Ministério Público Eleitoral com o objetivo de reprimir os atos de abuso pela utilização indevida de veículos e meios de comunicação que estariam sendo perpetrados pelos requeridos acima nominados, em benefício da candidatura dos dois primeiros.
Houve pedido liminar, inaudita altera pars, de suspensão da programação dos veículos de comunicação RBA - Rede Brasil Amazônia de Televisão e Rádio, pelo período de 48 (quarenta e oito) horas, nos termos do art. 56 da Lei n.º 9.504/97.
É o relatório do essencial. Decido.
Inicialmente, ressalto que, na Justiça Eleitoral, em regra, para que haja a concessão de liminar faz-se necessário que se tenha a presença conjunta de dois requisitos, quais sejam: fumus boni juris e periculum in mora.
Tais requisitos permitem ao julgador o deferimento da tutela de urgência, neste momento processual, por meio de uma análise meramente perfunctória.
No caso dos autos, e em análise preliminar, ao que tange os elementos de fato e de direito apresentados pelo requerente, NÃO vislumbrei a presença do fumus boni iuris, ou seja, a plausibilidade jurídica do direito invocado. Explico.
José Jairo Gomes preleciona que "A ação cautelar tem em vista salvaguardar o processo principal, o resultado útil que dele possa advir. Tanto poderá ser preparatória, quanto incidental a este processo, do qual é sempre dependente. Admite a concessão de liminar inaudita altera pars e tanto poderá ser preparatória quanto incidental, podendo suspender o feito principal, até seu julgamento."  (Gomes, 2010, p. 458)" .
A presente cautelar foi proposta como preparatória do ajuizamento de uma futura Ação de Investigação Judicial Eleitoral. Entretanto, diante do vasto material probatório colacionado aos autos, entendo que a medida cautelar é inócua diante da plena possibilidade de se ajuizar a ação principal, não havendo o que ser salvaguardado. Tanto é assim, que a própria Coligação que apresentou as denúncias que originaram o Procedimento Preparatório anexo à presente Ação Cautelar, já apresentou uma AIJE contra os requeridos e outros e sob o fundamento do abuso pela utilização indevida de veículos e meios de comunicação a nº 2503-10.2014.6.14.0000.
No mais, a AIJE possui medida cautelar própria, prevista no art. 22, inciso I, alínea "b"  da Lei n.º 64/1990, in verbis:
"Art. 22 (...)
I - O Corregedor, que terá as mesmas atribuições do Relator em processos judiciais, ao despachar a inicial, adotará as seguintes providências:
(...)
b) determinará que se suspenda o ato que deu motivo à representação quando for relevante o fundamento e do ato impugnado puder resultar a ineficiência da medida, caso seja julgada procedente;"
Ora, a relevância do fundamento da cautelar é evidente, mas não verifico que do ato impugnado possa resultar qualquer ineficiência da medida, no caso de futuro julgamento da AIJE, que, em sendo julgada procedente, terá seus devidos consectários no tempo devido, não cabendo a antecipação de qualquer sanção.
Dessa forma, por tudo que foi exposto, INDEFIRO A LIMINAR pleiteada tendo em vista a ausência do fumus boni juris.
Intime-se o requerente da referida decisão.
CITEM-SE os requeridos no prazo legal.
PRIC.
Belém, 20 de outubro de 2014.
Desembargador RAIMUNDO HOLANDA REIS
Relator

Em campanha contra baixaria, TSE pune Dilma e Aécio

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu punir com a perda do tempo de televisão e rádio candidatos que usam o horário eleitoral para fazer ataques a outros candidatos, em vez de apresentarem propostas. Decisões do ministro Admar Gonzaga atingiram Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, e Aécio Neves (PSDB). A petista perdeu 72 segundos no programa de rádio, enquanto o tucano foi penalizado com a perda de dois minutos e meio de suas inserções na TV. As medidas valem até que o plenário tome uma decisão definitiva sobre o caso e seguem a nova orientação do TSE, definida na sessão da Corte Eleitoral da última quinta-feira.
No caso de Aécio, a punição foi provocada pela veiculação de uma propaganda na qual é dito que Dilma não fez nada contra a corrupção da Petrobras. A peça publicitária foi transmitida em cinco inserções na TV no último sábado. A campanha de Dilma alegava que a propaganda era de caráter difamatório e calunioso e continha afirmação ofensiva e sabidamente inverídica, atingindo sua honra e dignidade. Em sua decisão, Admar Gonzaga entendeu que "a propaganda impugnada ainda não se ajustou à nova linha estabelecida por este Tribunal, circunstância que conduz à concessão da liminar".
No caso de Dilma, ela foi punida por ter veiculado, no dia 19 de outubro, uma inserção no rádio com uma paródia da música "Oh, Minas Gerais". Na peça publicitária, a letra era adaptada para criticar o candidato tucano, que obteve menos votos que Dilma em Minas, estado onde ele foi governador entre 2003 e 2010. "Oh, Minas Gerias, oh, Minas Gerais, quem conhece Aécio não vota jamais", dizia a propaganda. Em decisão anterior, ele já havia determinado a suspensão da peça. "Ainda que a propaganda não utilize expressões grosseiras, foi elaborada num tom jocoso, com o claro propósito de enfuscar a imagem do primeiro representante (Aécio). Destoa ela, portanto, da novel orientação desta egrégia corte", disse Admar em sua decisão.
Admar Gonzaga também determinou a suspensão de propaganda feita em outdoors eletrônicos contra Aécio em São Paulo. A campanha de Dilma projetou no prédio do Conjunto Nacional, na Avenida Paulista, sábado à noite, imagens de Aécio com as frases: "e advinha só quem é réu pelo desvio de 4,3 bilhões da Saúde de Minas Gerais?"; "do jeito que ele fala de Minas Gerais até parece que os mineiros lá gostam dele"; e "o dinheiro é público mas o aeroporto que eu fiz pro meu tio não é".
Segundo o ministro, a projeção de propagandas em tamanho superior a quatro metros quadrados, "além de aparentemente violar a legislação eleitoral, atenta contra o equilíbrio e a igualdade entre candidatos na disputa eleitoral". Ele destacou que a Lei das Eleições proíbe a veiculação de propaganda de qualquer natureza "nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão do Poder Público, ou que a ele pertençam, e nos de uso comum, inclusive postes de iluminação pública e sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos".

sábado, 18 de outubro de 2014

Pesquisa Ibope coloca Dilma 12 pontos à frente de Aécio no Pará

Na pesquisa Ibope divulgada neste sábado (18), Dilma Rousseff lidera com 12 pontos percentuais à frente de Aécio Neves.Veja os percentuais, considerando apenas os votos válidos na corrida presidencial no Pará:
- Dilma Rousseff (PT) - 56%
- Aécio Neves (PSDB) - 44%
A pesquisa foi encomendada pela TV Liberal. Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.
O Ibope ouviu 812 eleitores em 43 municípios do estado de 14 a 16 de outubro. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O intervalo de confiança é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Pará sob registro PA-00052/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral sob protocolo no BR-001121/2014.

TSE suspende propaganda de Aécio envolvendo denúncias contra Petrobras

O ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), concedeu hoje (18) quatro liminares a candidata Dilma Rousseff e a Coligação com a Força do Povo e determinou a imediata suspensão de propagandas eleitorais do candidato Aécio Neves envolvendo denuncias contra a Petrobras, veiculadas no rádio e na TV.
Nas inserções divulgadas no rádio, uma das peças afirma que ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, confessou que o PT recebia percentual nos contratos firmados pela área de abastecimento da estatal. Na outra inserção, o locutor afirma: “Você sabia que só com o dinheiro desviado da Petrobras pro PT daria para fazer mais doze estádios da Copa e por aqueles preços hein”.
A inserção da TV mostra uma série de manchetes de jornais contrários ao PT acompanhada da seguinte mensagem: “Já que o PT está apresentando manchetes de jornal para atacar o Aécio, nós vamos mostrar também algumas manchetes sobre o PT”; e conclui, “Chega? Ou quer Mais?”
Nas representações ao TSE, a coligação fundamentou seus pedidos na nova orientação do Tribunal para combater a deterioração do nível das campanhas, alegando que as propagandas ofendem a honra e a dignidade da candidata Dilma Rousseff ao veicularem mensagens “inverídicas e caluniosas”. Foi requerida liminar para suspender a propaganda (em razão da possibilidade de reexibição) e, no mérito, foi pedido direito de resposta (o mérito ainda será julgado).
Nova orientação
Conforme a fundamentação, o relator aplicou a nova jurisprudência do TSE, firmada pelo Plenário no julgamento da Representação 165865, a partir da crescente preocupação com a deterioração do nível das peças publicitárias preparadas para as eleições presidenciais, especialmente após o primeiro turno das eleições.
Ao decidir, o ministro reiterou que, “ataques deste tipo prestam desserviço ao debate eleitoral fértil e autêntico e, em maior escala, à própria democracia”, por isso foi preciso fixar novos parâmetros para a propaganda em rádio e televisão e, em especial, para o balizamento do trabalho dos juízes auxiliares, em tema de direito de resposta.
“A Corte entendeu que, mesmo dispondo os candidatos, no segundo turno, de tempos rigorosamente iguais no horário eleitoral gratuito (simetria), o espaço disponibilizado no rádio e na TV deve ser utilizado de maneira propositiva. Ou seja, não pode ser desvirtuado para a realização de críticas destrutivas da imagem pessoal do candidato adversário, nem é justo que o ofendido tenha de utilizar o seu próprio tempo para se defender de ataques pessoais em prejuízo de um autêntico e benfazejo debate político. Em suma: o espaço é público e deve ser utilizado no mais lídimo interesse público, não soando legítima, doravante, sua apropriação desmesurada”, afirmou o ministro Tarcisio Vieira ao conceder as liminares.
Segundo o ministro, o TSE também foi enfático ao desestimular a utilização de matérias jornalísticas depreciativas, ainda que previamente divulgadas pela imprensa, bem como a participação de terceiros não diretamente relacionados à cena política.
Tarcisio Vieira de Carvalho entendeu que, à luz dos novos parâmetros, a propaganda eleitoral questionada apresenta excessos ao imputar conduta ilícita ao PT e vinculá-la à candidata Dilma Rousseff, com base em manchetes de jornais e em depoimento de terceiro massivamente veiculado pela imprensa , de forma a macular a imagem de ambos perante o eleitorado.
“Houve, portanto, nítido desvirtuamento do espaço reservado à propaganda eleitoral”, afirmou o ministro, ao conceder as liminares para determinar a suspensão imediata das veiculações até decisão final da causa. (Com Ascom/TSE)

Ibope mostra Helder quatro pontos à frente de Jatene

No G1 Pará, hoje (18):
Pesquisa Ibope divulgada neste sábado (18) aponta os seguintes percentuais de votos válidos na corrida para o governo do Pará:
- Helder Barbalho (PMDB): 52%
- Simão Jatene (PSDB): 48%
Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.
A pesquisa foi encomendada pela TV Liberal.
É o primeiro levantamento divulgado pelo instituto no segundo turno da eleição para governador do PA. Segundo o Ibope, os candidatos estão empatados tecnicamente dentro da margem de erro, de três pontos.
O Ibope ouviu 812 eleitores em 43 municípios do estado de 14 a 16 de outubro. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Pará sob registro PA-00052/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral sob protocolo no BR-001121/2014.

Guerra de números no Pará - Na IVeiga: Helder 53,7%, Jatene 46,3%; na Doxa: Jatene 53,7%, Helder 46,3%

A guerra de números envolvendo a disputa pela Presidência da República, se repete na disputa pelo Governo do Pará. Aqui, institutos de pesquisas apuram números diferentes envolvendo Helder Barbalho (PMDB) e Simão Jatene (PSDB). Neste sábado (18), duas pesquisas foram divulgadas. Veja os números a seguir.
A Doxa Comunicação foi à campo entre os dias 13 e 17, entrevistou 2.000 eleitores em todas as regiões do estado. Segundo a pesquisa Doxa, considerando apenas os votos válidos Jatene lidera com 53,7% da preferência do eleitorado paraense. Helder tem 46,3% .
Veja outros números da pesquisa Doxa.
Na modalidade espontânea, Jatene tem 47,3%, Helder 41,3%, brancos, nulos e indecisos somam 11,4%.
Na estimulada, Jatene sobe para 49% e Helder fica com 42,3%. Brancos, nulos e indecisos são 6,4%.
A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos e o intervalo de confiança é de 95%. A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral  (TRE/PA - 00048/2014).
Aécio x Dilma na Doxa
A Doxa também apurou a preferência do eleitorado em relação aos candidatos à Presidência. A disputa está tecnicamente empatada, mas Aécio Neves está numericamente à frente com 47,3% e Dilma tem 46,2%. Brancos, nulos e indecisos somam 6,5%.
Considerando apenas os votos válidos, Aécio tem 50,6% e Dilma alcança 49,4%.
Pesquisa IVEiga mostra Helder à frenteOutro instituto, o IVeiga também apresentou seus números. Nesta pesquisa, Helder é quem lidera com mais de 6 pontos percentuais à frente de Jatene. Quando considerados apenas os votos válidos, Helder tem 53,7% e Jatene tem 46,3%.
Veja todos os números:
Na espontânea, Helder lidera com 47,8%. Jatene tem 41,4%. Brancos e nulos somam 4,9% e não souberam responder ou não opinaram alcançam 5,9% do eleitorado.
Na estimulada, Helder tem 49,1% e Jatene, 42,3%. Brancos e nulos são 5,4% e não souberam ou não opinaram  3,3%.
A IVeiga quis saber ainda a percepção do eleitorado no que diz respeito à expectativa de vitória. 53% dos eleitores acreditam que Helder vencerá e apenas 37% acha que Jatene vai ganhar.
Aécio x Dilma no IVeiga
A Iveiga também aferiu a preferência dos paraenses entre Aécio Neves e Dilma Rousseff. No Pará, segundo o instituto, na estimulada Dilma tem 49,3% e Aécio tem 44%. Brancos e nulos somam 3,8%. Não sabem ou não opinaram são 3%. Considerando apenas os votos válidos, Dilma tem 52,81% e Aécio Neves tem 47,19%.
Foram aplicados 1.200 questionários em municípios de todas as regiões do Pará, no período de 13 a 17 deste mês. O intervalo de confiança é de 95% e a margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no TSE – BR 01116/2014– Presidência
e no TRE/PA: PA – 00050/2014 – Governador.

Segundo blog tucanos fizeram arrecadação suspeita em MG. Esquema beneficia Zenaldo, apadrinhado de Jatene

O blog Conversa Afiada publicou nesta sexta-feira (17), uma denúncia grave envolvendo Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência da República. Segundo o jornalista Paulo Henrique Amorim, que edita o sítio na internet, Aécio tinha conhecimento de um esquema de arrecadação de recursos para campanhas do PSDB e aliados que teria juntado algo em torno de R$ 160 milhões desde 2012.
O dinheiro teria sido usado para financiar campanhas de prefeitos e vereadores de diversos partidos em Minas Gerais e em algumas das principais capitais do País. A dinheirama teria origem em um "consórcio" formada por empresas e ONGs que relacionam-se com o Governo de Minas Gerais. A legalidade das doações não foi comprovada e levanta a suspeita da existência de um "Caixa 2" tucano.
O ex-governador e candidato à Presidência pelo PSB, Eduardo Campos, já falecido, teria recebido cerca de R$ 2.500.000,00. Medalhões do PSDB, entre eles José Serra (R$ 3,6 milhões) e o prefeito de Manaus (AM), Arthur Virgílio Neto (R$ 600 mil) foram beneficiados pelo esquema. Até o tucaninho Zenaldo Coutinho, garoto de ouro de Simão Jatene, (juntos com Aécio na foto acima), teria recebido um "dinheirinho" de Aécio. O atual prefeito de Belém teria embolsado R$ 300 mil para sua campanha em 2012. Como se vê, na hora de dividir os caraminguás existem tucanos de "primeira" e tucanos de "segunda". Definitivamente, Zenaldo não integra o pelotão de "elite" do tucanato
O responsável por passar a sacolinha entre as empresas era Danilo de Castro, secretário de Governo do Estado de Minas Gerais. Ele exerceu o cargo de coordenador financeiro da campanha de Pimenta da Veiga (PSDB) que, nestas eleições, foi derrotado no primeiro turno por Fernando Pimentel (PT).
O Sindifisco/MG teve acesso a um documento assinado por Danilo de Castro no qual o secretário faz uma espécie de prestação de contas ao então senador Aécio Neves. No documento são arroladas as empresas doadoras e também os destinatários (ou seus representantes) da grana. O sindicato formalizou denúncia ao Procurador Federal em Minas Gerais, Eduardo Morato Fonseca que a encaminhou para a Procuradoria Geral da República em função de alguns dos citados terem direito ao chamado foro privilegiado.
Em época de eleição, todo o cuidado é pouco, mas a denúncia precisa ser apurada e algumas perguntas respondidas. É autêntico o documento? as doações foram legais? Houve registro desta movimentação financeira? Os beneficiários declararam à Justiça Eleitoral o recebimento dos recursos?
Mas, ainda assim é inegável que a denúncia é grave e coloca sob suspeição a campanha tucana. O PSDB deveria ser o primeiro a exigir celeridade na apuração do caso, mas até aqui não se pronunciou sobre o assunto.
Leia a seguir a íntegra da postagem feita por PHA, no Conversa Afiada.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Justiça Eleitoral proíbe santinhos no dia da eleição no Pará

O Ministério Público Federal informou que o juiz Marco Antonio Castelo Branco atendeu o pedido da Procuradoria Regional Eleitoral no Pará (PRE/PA) e proibiu o uso de panfletos e santinhos pelas campanhas eleitorais no segundo turno das eleições no Pará. A distribuição dos santinhos só é permitida até 22h da véspera do dia da votação. Após esse horário, quem descumprir a proibição está sujeito à multa de R$ 100 mil por cada infração.
Por ordem do juiz, a decisão deverá ser enviada para todas as zonas eleitorais do “a fim de que tomem as providências para a colheita de provas da conduta ilícita (fotos, vídeos etc.)”. A decisão confirma o entendimento do procurador eleitoral auxiliar Bruno Valente de que a prática é irregular, já que a legislação eleitoral permite, no dia das eleições, apenas as manifestações individuais dos eleitores.
“No dia 5 de outubro, por ocasião do primeiro turno, os municípios do estado do Pará amanheceram com suas ruas tomadas por material de campanha de vários candidatos ao pleito”, relata o pedido da PRE. “Como se trata de prática habitual, tudo indica que se repetirá por ocasião do segundo turno, causando novamente grande transtorno para toda a cidade. Trata-se de conduta muito difícil de ser flagrada, pois o despejo deste tipo material nas vias públicas, em geral próximo de locais de votação, ocorre na madrugada do próprio dia do pleito e de forma pulverizada”.
Em resposta, o juiz anotou em sua decisão: “os acontecimentos já evidenciados no primeiro turno denotam a necessidade desta Justiça Eleitoral tomar atitude enérgica e condizente com a indignação totalmente justificável diante de tamanha afronta ao bem-estar e ao meio ambiente no sentido mais amplo”.
A decisão vale para as duas coligações e candidatos que concorrem no segundo turno, Helder Barbalho, da coligação Todos pelo Pará e Simão Jatene, da coligação Juntos com o Povo.
A decisão foi tomada nos autos de Representação Eleitoral (Processo nº 3005-46.2014.6.14.0000)

Jatene não nomeia e 300 aprovados em concurso da PM fazem protesto em Belém

Para quem diz que segurança pública é prioridade, Simão Jatene, o governador tucano do Pará, parece dar pouca atenção à área. Cerca de 300 aprovados em concurso para a Polícia Militar esperam há dois anos a nomeação. Na manhã desta sexta-feira (17) resolveram protestar.
No Diário Online:

Manifestantes interditam avenida Almirante Barroso

Uma das vias da avenida Almirante Barroso (sentido bairro de São Brás - Souza) está interditada na manhã dessa sexta-feira (17) por um  um grupo de aprovados no concurso da Polícia Militar do Pará, realizado no ano de 2012, que protestam por nomeação. O trânsito está congestionado no trecho entre a avenida Humaitá e a travessa Valentinas.
O ato iniciou na Almirante Barroso com a travessa Enéas Pinheiro e os manifestantes seguem em caminhada até a frente do Tribunal de Justiça do Estado do Pará (avenida Almirante Barroso com a avenida Dr. Freitas), onde continuarão a interditar a avenida.
Os manifestantes são candidatos que foram aprovados nas vagas excedentes no concurso da Polícia Militar em 2012, além de candidatos que foram aprovados no mesmo concurso, mas não puderam assumir porque estavam acima da idade limite para ingressar no cargo. O grupo todo seria formado por aproximadamente 300 pessoas.

"Eu erro. Todo mundo erra", diz Aécio sobre embriaguez ao volante após debate no SBT

A Folha de S.Paulo noticiou que Aécio Neves candidato do PSDB à presidência da República confirmou ter sido flagrado dirigindo embriagado por uma blitz da "Lei SEca". Segundo o jornal a candidata derrotada Marina Silva (PSB) telefonou para o tucano logo depois do debate realizado nesta quinta-feira (16) pelo SBT. Na conversa, Marina questionou o grau de truculência da disputa.
"Ela [Dilma] optou por esse caminho", justificou Aécio, acrescentando: "Deu o desespero. Viu que ela passou mal no final?", perguntou Aécio.
Marina citou o fato de Dilma ter explorado no debate o caso do bafômetro: o tucano admitiu ter se recusado a fazer o teste durante uma blitz no Rio de Janeiro.
"Eu erro. Todo mundo erra", alegou Aécio. "Vou defender minha honra até o final", completou ele.
No post anterior, o blog havia citado os recorrentes problemas pessoais de Aécio, entre eles misturar álcool e direção. Em Minas, a oposição chegou a instituir o dia 17 de abril como o "Bafômetro Day". Foi nesta data, em 2011, que Aécio foi parado numa blitz da lei seca no bairro do Leblon, no Rio. O candidato do PSDB tinha uma carteira de habilitação suspensa e recusou-se a fazer o teste do bafômetro.
Na prática, Dilma chamou Aécio de criminoso, incurso no artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Dilma e Aécio fazem debate na Band em clima quente. Sobraram acusações e faltaram propostas

O debate promovido pela Band na noite de ontem (14) entre Dilma e Aécio foi sem dúvida um dos confrontos mais acirrados dos últimos anos. As regras simples estabelecidas e a interferência mínima de Ricardo Boechat, o mediador, favoreceram enormemente o enfrentamento direto entre os dois candidatos à Presidência e garantiu a permanência da emissora em primeiro lugar na audiência nacional durante mais de dois terços do evento. Ao contrário dos debates globais, carregados de sorteios com bolinhas,temas definidos e o pavão Bonner, o que mais se viu foi espaço para a boa e velha pancadaria verbal. Era candidato contra candidato, com temas livres e tempo razoável para perguntar, responder, replicar e treplicar. Tudo como deve ser.
Foram oferecidos regras e campo para uma "final de Libertadores". Pena que os candidatos tivessem aquela feição de "times de fim de semana". Mesmo assim, o debate foi mais emocionante que a maioria dos jogos do Brasil na Copa do Mundo e gerou mais audiência para a emissora também.
Fosse um dos candidatos bom debatedor - que saudades do velho Leonel Brizola! - e sairia consagrado. Como Dilma e Aécio são apenas "mais ou menos", não houve um vencedor inconteste. Dilma saiu-se um pouquinho melhor. Claro que os correligionários de ambos cantarão vitória. É do jogo. Mas, Dilma por pelo quatro momentos deixou Aécio atônito e meio fora do eixo.
Dilma fez Aécio balançar ao falar dos desvios de verbas para a Saúde em Minas - coisa de mais de R$ 7 bilhões; sobre nepotismo - pelo menos seis parentes de Aécio, entre eles a irmã Andreia Neves, exerceram ou exercem cargos públicos no governo mineiro; no aeroporto construído por Aécio nas terras de um seu tio e fez a plateia prender a respiração quando tocou na questão da violência contra a mulher. Este último item tem razão de assustar o candidato tucano.

Parabéns, professor!

Alice, Helenice, Benedito, Watrin, Bernadete, Licurgo, Malu, Carmita, Edna, João Batista Klautau, Reinaldo da Silveira, Ney Siqueira Mendes, José Carlos Castro e todos os demais que fizeram e fazem do magistério uma nobre arte, obrigado mestres pelas lições de gramática, geometria, álgebra, filosofia, história, geografia, direito, literatura e vida que vocês ensinaram. As ferramentas que vocês ofereceram permitiram conhecer e compreender o mundo, algo de valor inestimável, que levo para sempre e que ninguém jamais será capaz de tirar. Feliz Dia do Professor!

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Viva Hannah!

Antes que o dia termine não será tarde para homenagear Hannah Arendt.
Quem acessou o Google hoje (14) - e teve curiosidade suficiente - pode ver uma gravura da pensadora teuto-americana para lembrar seu 108º aniversário.
Hannah, judia nascida na Alemanha em 1906, sofreu a perseguição nazista e, talvez por isso - mas, não só por isso - dedicou-se ao estudo das formas que o autoritarismo pode assumir. Estudou, por assim dizer, a anatomia da pior deformação a afetar a democracia representativa.
A crítica às formas autoritárias de exercício do poder e a capacidade de Hannah em demonstrar que apenas o sentido de alteridade e de distinção - aquela compreensão que somos todos interdependentes e devemos assumir, ainda que de forma temporária, a posição ocupada pelo "outro" - é que determina e dá sentido à nossa condição humana, a tornaram leitura imprescindível para aqueles que entendem a democracia enquanto um valor universal e sobre o qual é impossível transigir.
Hannah aponta a manutenção do diálogo e o aprofundamento dos valores democráticos, através da crescente participação popular, como antídotos para o autoritarismo. Nada mais atual, portanto.
Ler Origens do Totalitarismo ou A Condição Humana, duas de suas principais obras, é entrar em um mundo no qual nada parece mais revolucionário que buscar construir no cotidiano um humanismo radical, no qual a prática política seja o exercício da liberdade nos espaços de poder que podem ser partilhados com o "outro". Quem consegue perceber isso aprende ligeiro que na política - e na vida em geral - não existem "inimigos" que mereçam ser exterminados, mas apenas adversários que podem ser vencidos e a melhor arma para isso será sempre o convencimento através de argumentos que apelem à razão e apontem o caminho da tolerância para garantir a convivência de contrários. Assim, não se espera nos regimes democráticos, de forma ingênua, a ausência de conflitos, mas fica estabelecido, como valor inegociável, a crença na capacidade humana para resolvê-los a partir do diálogo permanente capaz de legitimar o exercício do poder pela maioria, sem perder de vista o necessário respeito ao direito da minoria em divergir.
Viva a Democracia! Viva Hannah!

Band promove primeiro debate do segundo turno entre Dilma e Aécio

Para quem quer decidir o seu voto para presidente ou acompanhar o desempenho de seus candidatos, a Band realiza na noite desta terça-feira, às 22h15, o primeiro debate do segundo turno entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB).
O debate terá 1h20 de duração, com quatro blocos de perguntas e respostas e um para as considerações finais. A responsabilidade de mediar o debate será do jornalista Ricardo Boechat. A BandNews e o Portal Band também transmitem o encontro.

IVeiga mostra Helder cinco pontos à frente de Jatene. Para presidente, Dilma não avança e Aécio "herda" votos marinistas


Como se sabe, Helder Barbalho deixou de ganhar o governo do Pará, no primeiro turno, por conta de míseros 0,13% dos votos. 5 mil votos a mais e não haveria segundo época para Simão Jatene, um dos piores governadores dos últimos 50 anos no estado. Mas, vida que segue.
Faltando 12 dias para o segundo turno, tudo indica que Helder confirmará a vitória no dia 26 deste mês, em um dos pleitos mais disputados desde a redemocratização do País. Helder deverá ser beneficiado pelas adesões de Zé Carlos, candidato do PV ao Governo do Pará e de Jefferson Lima, candidato do PP ao senado que obteve mais de 740 mil votos em todo o Estado. Desses votos, nada menos que 309 mil vieram de Belém, onde Helder perdeu para Jatene.
A IVeiga já registrou o crescimento de Helder e agora o candidato do PMDB já abre mais de cinco pontos percentuais em relação ao candidato tucano. Veja os números da primeira rodada de pesquisas para o segundo turno.
Segundo instituto, considerando os votos válidos, Helder tem 52,9% dos votos e Jatene tem 47,1%.
Na sua forma espontânea, a pesquisa apurou que Helder tem 45.7% e Jatene 41,1%, brancos e nulos somam 5,4% e indecisos são 7,8% do eleitorado.
Na estimulada, Helder mantém a liderança com 47,1%, ficando Jatene com 42%. Brancos e nulos são 5,3% e indecisos 5,7%.
Dilma x Aécio
A IVeiga quis saber como anda a preferência do eleitorado paraense em relação aos dois candidatos à Presidência da República e se a "virada" aecista ainda não aconteceu no Pará, a pesquisa fez acender a luz amarela no QG da campanha petista no estado.
Segundo o instituto, na modalidade espontânea, Dilma, que já venceu no Pará, no primeiro turno, lidera o segundo turno com 49,3% das intenções de voto, Aécio tem 43,3%, brancos e nulos somam 4% e indecisos 3,4%.
Na estimulada, Dilma tem 49,8% e Aécio 43,8%. Brancos e nulos são 3,8% e indecisos 2,8%.
O problema é que Dilma teve 53,18% dos votos no primeiro turno e Aécio 27,57%. Considerando apenas os votos válidos, Dilma tem agora 53,20% e Aécio 46,79%. Os novos resultados mostram que Dilma não ganhou nada e que Aécio cresceu fortemente ao herdar a quase totalidade dos votos de Marina Silva. Caso o PT e aliados não coloquem "o bloco na rua", correm o risco de passar vergonha no Pará.
Foram aplicados 1.200 questionários, entre os dias 9 e 13 deste mês, em 24 cidades de todas as regiões do Pará. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos e o intervalo de confiança é de 95%. A pesquisa foi registrada no TRE (PA – 00046/2014) e no TSE (BR 01092/2014).
A Doxa Comunicação também, está em campo desde ontem (13) para medir o pulso do eleitorado paraense. Em Marabá, Curionópolis e Parauapebas as entrevistas estão sendo aplicadas nesta terça-feira (14) e na região do Araguaia, amanhã. Os resultados deverão ser divulgados no sábado (18).

Guerra de números - Vox coloca Dilma à frente e Sensus diz que Aécio abre 17 pontos sobre petista

Com a divulgação pelo Vox Populi de levantamento que aponta empate técnico entre Dilma e Aécio ficou estabelecida de vez a guerra das pesquisas. Segundo o Vox, a atual presidente aparece numericamente à frente do tucano. Dilma tem 45% das intenções de voto e Aécio, 44%. Esta é a situação nos votos totais em que brancos e nulos somam 5% e indecisos, também 5%. Nos votos válidos, Dilma tem 51% e Aécio, 49%.
A pesquisa, registrada junto à Justiça Eleitoral (BR-01076/2014), ouviu 2.000 eleitores em 147 cidades de todas as regiões do país entre sábado (11) e domingo (12). A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais e o intervalo de confiança é de 95%. A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR-01079/2014.
Por outro lado, a pesquisa ISTOÉ\Sensus mostra o candidato Aécio Neves (PSDB) com 58,8% dos votos válidos e a petista Dilma Rousseff com 41,2%. Uma diferença de 17,6 pontos percentuais. O levantamento foi feito entre a terça-feira (7) e a sexta-feira (10). 
O Sensus identificou aumento significativo na rejeição de Dilma. Segundo a pesquisa, o índice de eleitores que afirmam não votar em Dilma de forma alguma é de 46,3%. A rejeição de Aécio Neves é de 29,2%. Uma rejeição com essa dimensão tornaria praticamente impossível a reeleição da presidente. 
Foram feitas 2.000 entrevistas em 24 Estados e 136 municípios  Aécio soma 52,4%, Dilma 36,7% e os indecisos, brancos e nulos são 11%, tudo com margem de erro de 2,2% e índice de confiança de 95%. Nos votos espontâneos, quando nenhum nome é apresentado ao eleitor, Aécio soma 52,1%, Dilma fica 35,4% e os indecisos são 12,6%.
O tucano, segundo a pesquisa ISTOÉ\Sensus, vence em todas as categorias socioeconômicas e em quase todas as regiões do País. A exceção é o Nordeste, onde a petista ganha por larga margem.
Tanta disparidade entre números apurados por dois institutos dentro de um intervalo pequeno de tempo vale um comentário.
O Vox sugere que o Sensus cometeu crime eleitoral. Segundo o Vox, o Sensus não respeitou a proporção entre cidades nas quais Dilma e Aécio venceram no primeiro turno. O Sensus teria "escolhido" mais cidades nas quais o tucano venceu e isso deturpou o resultado.
Por outro lado, o Sensus argumenta que a sua amostragem não apresenta erro e que a metodologia do Vox foi incapaz de detectar a rápida migração de votos de Marina para Aécio, mesmo antes do pronunciamento oficial da ex-candidata do PSB em favor do tucano.
A favor do Sensus, três elementos: a cúpula petista festejou o resultado das primeiras pesquisas que mostravam empate técnico entre os dois candidatos - achavam que a coisa ficaria muito pior já nos primeiros dias pós primeiro turno; não há notícia de qualquer impugnação da pesquisa Sensus por parte dos petistas e, além disso, o Sensus foi o primeiro a registrar a sangria de Marina que acabou por tirá-la do segundo turno.
Datafolha e Ibope devem divulgar novas pesquisas nesta quarta-feira (15).
O Ibope já está desde ontem nas ruas realizando sua pesquisa, encomendada pela TV Globo. Serão entrevistados 3.010 eleitores. O protocolo do levantamento é BR-01097/2014.
Há outra pesquisa do Ibope para presidente, também contratada pela TV Globo, prevista para ser divulgada a partir de 16 de outubro. Serão entrevistados 2.002 eleitores e o protocolo do levantamento é BR-01101/2014.
Já o Datafolha vai às ruas nesta terça-feira (14), e na quarta-feira (15), para fazer pesquisa encomendada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S. Paulo. Segundo o registro no TSE, serão entrevistados 9.260 eleitores. O protocolo do levantamento é BR-01098/2014. A data prevista para a divulgação dos resultados também é 15 de outubro, um dia depois do primeiro debate que acontece nesta terça-feira, na Band.
Institutos de pesquisa, como qualquer empreendimento humano, são passíveis de erros. Mas, disparidades acentuadas em resultados obtidos comprometem a credibilidade já debilitada das pesquisas de opinião no Brasil. Apesar de acreditar que o Sensus aproxima-se mais da realidade e que os demais institutos vão apresentar resultados colocando Aécio à frente, entendo que com qualquer resultado que outros institutos venham a apurar, Sensus ou Vox - quem sabe, ambos - estarão na berlinda até o dia da eleição. 

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Jefferson Lima, segundo colocado ao Senado com mais de 700 mil votos, apoia Helder no segundo turno

No Diário Online, hoje (10):
Apesar de não ter sido eleito, Jefferson Lima foi o segundo candidato a Senador mais votado nas Eleições 2014 no Pará. Ficando atrás somente de Paulo Rocha (PT), vencedor com 1.566.350 (46.30%), Lima teve 741.427 votos (21.92%), participando da Coligação “Juntos com o povo”, que tem à frente o candidato a governador Simão Jatene (PSDB).
Nesta quinta-feira (09), Lima anunciou apoio à candidatura de Helder Barbalho (PMDB) ao governo do estado. A decisão surpreendeu muitas pessoas e também mostrou o quanto o atual governo desagrada até mesmo membros e pessoas próximas à coligação.
No início da manhã desta sexta-feira (10), o site "Bilhetim", de Edir Veiga, respeitado doutor em Ciência Política e professor na Universidade Federal do Pará publicou uma entrevista com Jefferson Lima sobre o apoio a Helder. Destacando sua postura como cidadão e a proximidade com as a
tuais demandas urgentes da população paraense, Lima comentou sobre sua preferência e apoio ao governo do estado e à presidência do país. Confira alguns trechos:
Edir Veiga – Por que você deixou a coligação de Jatene neste segundo turno?
Jefferson Lima – Estive na coligação de Jatene por decisão partidária, do Partido Progressista- PP, mas fui esquecido como candidato ao senado. Não recebi apoio concreto nem do PP e nem do PSDB de Jatene. Assisti o governador assumir publicamente o apoio ao candidato do PSD Helenilson Pontes. Somente no último minuto do primeiro turno, com meu crescimento nas pesquisas é que eles lembraram que eu existia. Me sentia constrangido em subir no palanque de Jatene, devido à presença no mesmo momento de três candidatos ao senado da mesma coligação, onde eu era o “plebeu” estranho no ninho. Então, por uma questão de auto respeito e dignidade, após o primeiro turno, fiz um balanço do tratamento político que recebi por parte do meu partido e do PSDB e seus aliados, é que decidi por um novo caminho, agora como cidadão e não mais preso às amarras partidárias.
Edir Veiga – Por que você decidiu apoiar o candidato do PMDB, Helder?
Jefferson Lima – Não posso mais ficar apenas denunciando as péssimas condições em que vive o “meu povo” das periferias das cidades, especialmente na região da grande Belém e municípios vizinhos. Agora chegou a hora de agir. Creio que o partido tucano precisa ficar um tempo fora do governo para se reciclar, afinal o PSDB governa desde 1994 o Pará. Belém e o Pará continuam a ser os campeões em falta de saneamento, em educação de péssima qualidade e com índices de homicídios superiores à mortandade das guerras em curso no mundo. Então, a opção pela candidatura do Helder, é porque acredito que o PMDB, após 20 anos longe do comando do estado, agora renovado e representado por Helder, é uma possibilidade real de iniciar mudanças estruturais nos destinos do Pará e de seu povo, onde saneamento e asfalto não sejam obras apenas de vésperas de eleições.
Edir Veiga – E a eleição presidencial, como fica?
Jefferson Lima – Em minha recente história de participação política partidária, sempre apoiei o presidente Lula e a presidente Dilma Roussef, até porque o PP sempre foi base de apoio destes dois presidentes. Vou vestir ardorosamente a camisa da candidatura Dilma porque a mesma representa e defende os pobres deste país. Nunca em nenhum tempo, houve um governo tão carinhoso com o povo pobre deste país. Ademais, com Dilma presidente e Helder governador, teremos condições de trazer muitos recursos para mudar para melhor o perfil dos indicadores sociais no Pará e venha a impulsionar nosso povo para alcançar, nos próximos anos, o status de classe média. Afinal, o Pará, que possui dois milhões de famílias residindo em seu território, tem 887 mil famílias dentro do programa Bolsa Família. Só em Belém e Ananindeua quase 150 mil família dependem, decisivamente, deste programa social, para se alimentar três vezes ao dia.
Edir Veiga – E como será sua participação na campanha Helder, governador?
Jefferson Lima – Estarei dia e noite nos bairros populares da região metropolitana pedindo voto para Helder. Fui o candidato ao senado mais votado na região metropolitana, e obtive quase 50% dos votos válidos para o senado em nossa querida Belém. Vamos à vitória.

Ibope e Datafolha apontam empate técnico entre Dilma e Aécio. Tucano tem dois pontos a mais.

Na primeira pesquisa do segundo turno das eleições presidenciais feita pelo Ibope, está configurado empate entre Dilma e Aécio, considerando que a diferença entre eles está dentro da margem de erro do levantamento.
Na pesquisa, o candidato do PSDB, Aécio Neves, apareceu na frente da candidata do PT à reeleição, Dilma Rousseff, com apenas 2 pontos percentuais a mais. 
Aécio tem 46% das intenções de voto e Dilma, 44%. Considerando a margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, os dois candidatos estão em empate técnico.
Votos brancos, nulos ou indecisos somam 6%. Já os eleitores que responderam que ainda não sabem em quem votar são 4%. Se considerados apenas os votos válidos, a disputa fica ainda mais apertada. Nesse caso, Aécio tem 51% das intenções de voto e Dilma, 49%.
O Ibope ouviu 3.010 pessoas entre os dias 7 e 8 de outubro para fazer a pesquisa, encomendada pela TV Globo e pelo jornal O Estado de S. Paulo. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-01071/014.
Datafolha
Pesquisa Datafolha confirma os números do Ibope. O levantamento divulgado nesta quinta-feira (9) mostra o candidato do PSDB, Aécio Neves, com 46% das intenções de votos. Dilma Rousseff, do PT, tem 44%. Dada a margem de erro de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, os dois estão empatados tecnicamente.
A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo. Votos brancos e nulos somam 4%. Não souberam ou não responderam, 6%. É o primeiro levantamento divulgado pelo instituto no segundo turno da eleição presidencial.
Considerados os votos válidos, excluindo-se os votos brancos, nulos e indecisos, mesmo procedimento utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial, Aécio tem 51% e Dilma, 49%.
O Datafolha ouviu 2.879 eleitores nos dias 8 e 9 de outubro. O nível de confiança é 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-01068/2014.
No primeiro turno, Dilma Rousseff obteve 41,59% dos votos válidos e Aécio Neves, 33,55%. Enquanto a candidata do PT ganhou em 15 estados, o candidato do PSDB foi vencedor em dez.

Nobel da Paz vai para paquistanesa que enfrentou os talibãs e indiano que luta contra trabalho infantil

A paquistanesa Malala Yousafzai, de 17 anos, e o indiano Kailash Satyarthi venceram o Prêmio Nobel da Paz, anunciou hoje (10), a Royal Swedish Academy of Sciences, responsável pela premiação.
A ativista paquistanesa é a mais jovem a receber o prêmio. Kailash Satyarthi, 50 anos, é um indiano que luta contra o trabalho infantil.
Malala tornou-se um símbolo reconhecido internacionalmente de resistência aos esforços dos talibãs em negar educação e outros direitos às mulheres.
Desde 2009, com  12 anos de idade, Malala mantinha um blog com críticas aos talibãs e defendendo o acesso das mulheres paquistanesas à educação Em outubro de 2012, Malala foi vítima em uma tentativa de assassinato por talibãs. Ela foi baleada quando voltava para casa em um ônibus escolar. Kailash Satyarthi é um dos promotores da Marcha contra o Trabalho Infantil e já resgatou mais de 60 mil crianças trabalhadoras e também adultos mantidos sob regime de escravidão.
“As crianças devem ir à escola e não serem exploradas financeiramente”, disse o presidente do Comitê do Prêmio Nobel, Thorbjoern Jagland.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Ainda não será hoje que Marina adere a Aécio

Fiel ao seu estilo pendular, Marina Silva desistiu de anunciar nesta quinta-feira (9) seu apoio a Aécio. Ontem (8), conversou com FHC. Recebeu dele os parabéns e a promessa que será a ponte entre a "sonhática" e Aécio. Marina ficou de pensar. Quer certos compromissos do tucano que apontem à esquerda, entre eles apoio ao MST e às comunidades tradicionais (índios e quilombolas), além de outros acertos, especialmente na área ambiental.
Como não tem programa algum - e ainda que tivesse, não o seguiria mesmo - Aécio haverá de dar tudo o que Marina quer para tê-la ao seu lado durante esses 17 dias de campanha. Depois disso, haverá de querer distância da acreana.
Diga-se que o PT faria a mesmíssima coisa.
Mas, enquanto Marina faz suspense, as coisas acontecem.
A Rede, arremedo de partido (ou não-partido), reuniu-se quase que virtualmente para deliberar sobre os rumos do grupo no segundo turno. Reuniãozinha rápida e "muderna". Durou menos de 7 horas e boa parte dos "líderes" participaram por videoconferência. Antes que a conexão caísse decidiram que o eleitor de Marina está liberado para votar em branco, anular o voto ou votar em Aécio. Dilma nem pensar. Duvido que sejam obedecidos. Em primeiro lugar, porque encabestramento de votos é algo raro. Só Brizola transferiu para Lula seus votos, isso ainda no século passado. De lá para cá, "líderes" derrotados dificilmente são seguidos. Por outro lado, a tal Rede não existe mesmo.
O folclórico Pastor Everaldo (PSC) e "maluco beleza" Eduardo Jorge (PV) já aderiram a Aécio. Somados, os dois são menos que meio.
O PSB também aderiu ao tucano, mas como são pragmáticos os nossos socialistas, liberou alianças com o PT e Dilma nos estados. Huuuummm... Dialéticos, esses socialistas.
Ao fim e ao cabo, considerando as insignificâncias de que se viu cercada - coisas como PSL, PRP, PPS e o esquálido PSB - Marina precisa mesmo fazer um acordo pessoal. Esses 20 milhões de votos foram dados a ela, jamais aos partidos que a apoiaram. O problema é que, assim como não soube dar rumo à sua campanha, Marina não consegue conduzir esse caminhão de votos que, pela segunda vez, eleitores brasileiros insistem em lhe dar.

The Endless River deve ser o "fim" do Pink Floyd, dizem integrantes da banda

David Gilmour e Nick Mason confirmaram, numa entrevista à BBC, que "The endless river" será mesmo o último álbum de estúdio do Pink Floyd. O disco traz canções escritas em 1993, durante as gravações de "The Division Bell", ainda com a participação de Richard Wright, tecladista do grupo morto em 2008.
"Bem, Rick está morto. Tenho certeza que não teremos nada depois disso. É uma pena, mas esse é o fim", disse o guitarrista. Gilmour revelou que ainda tem algumas gravações feitas com Wright que podem ser usadas em seu próximo álbum solo, "mas não como Pink Floyd".
"The Endless River" conta com uma participaçaõ especial de Stephen Hawking. A voz do físico de 72 anos aparece na canção “Talkin’ Hawkin’”, numa gravação de um comercial de 1994. A banda já havia utilizada a voz sintetizada de Hawking na música "Keep talking", do disco "The Division Bell". Gilmour disse que resolveu usar a voz de Hawking em "Keep talking" depois de se emocionar com o comercial.
"Não imagino que ele tenha escrito aquelas palavras, mas ele estava lá, em sua cadeira de rodas", disse o guitarrista numa entrevista em 1994. "Ele parece um pouco estranho. E eu achei aquilo tão tocante que quis fazer alguma coisa."

Outubro Rosa recebe contribuição de Camila Oliveira, ring girl do UFC

Estamos no mês da conscientização visando a prevenção do câncer. Conhecido como Outubro Rosa, o movimento é mundial e acaba mobilizando governos, ong's e outros setores da sociedade. Monumentos conhecidos recebem iluminação rosa, além do movimento contar sempre com a participação de famosos sensibilizados pela campanha.
No Brasil, estima-se que sejam diagnosticados este ano pelo menos 52 mil novos casos de câncer de mama e 17 mil novos casos de câncer de colo de útero.
Procedimentos simples como o auto-exame - no caso do câncer de mama - e o exame preventivo anual, conhecido como "Papa-Nicolau", são as melhores maneiras de identificar de forma precoce o câncer. Iniciando rapidamente o tratamento as chances de cura são elevadas e é baixo o risco de reincidência da doença.
Uma das beldades que aderiu à campanha veio direto do Ultimate Fighting Championship. A octagon girl Camila Oliveira deu sua contribuição ao "Outubro Rosa" com um belo ensaio fotográfico. A morena do UFC utilizou uma bandagem de luta rosa em alusão ao símbolo da campanha, que é um laço cor de rosa. Uma bela iniciativa do esporte em apoio à luta contra o câncer.

Segundo Turno - Nesta quinta tem volta da propaganda no rádio e TV e divulgação de pesquisas

A campanha eleitoral à presidência da República  no rádio e TV será retomada hoje (9) quando volta a propaganda eleitoral gratuita, sendo veiculada até o dia 24 de outubro, dois dias antes do segundo turno das eleições. 
A propaganda política será transmitida de segunda-feira a sábado, durando 20 minutos no total, divididos igualitariamente entre os dois candidatos. Nos 13 Estados e no Distrito Federal onde a disputa pelo governo foi para o segundo turno, os dois concorrentes entrarão no ar logo em seguida, também com 10 minutos cada.
A propaganda será veiculada às 7h e às 12h, no rádio; e às 13h e às 20h30 na televisão. Por ter sido mais votada no primeiro turno da eleição presidencial, Dilma Rousseff iniciará o horário eleitoral e a ordem será alternada a cada programa a partir do segundo dia. O mesmo procedimento se repete nas disputas estaduais. No Pará, Helder, melhor colocado no primeiro turno, será também o primeiro a aparecer hoje.
Pesquisas
Nesta quinta-feira (9) deverão ser anunciados também os números de duas pesquisas.
A Rede Globo encomendou um levantamento de 3.010 eleitores ao Ibope com realização entre quarta-feira (8) e quinta-feira (09) e outro que deve ouvir mais 2.884 eleitores ao Datafolha. A expectativa é que a Globo divulgue os resultados ainda na quinta-feira, quando os levantamentos de ambos institutos serão encerrados. 
Essas serão as primeiras pesquisas a medir a intenção dos eleitores neste segundo turno entre Dilma Rousseff e Aécio Neves. Os levantamentos ainda não deverão capturar eventuais mudanças em razão dos apoiamentos recebidos por cada candidato e servirá mais para nortear os próximos programas eleitorais e as inserções publicitárias.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Entrevista: Beto Salame - “Vou trabalhar muito para honrar esses milhares de voto”

No escritório político que foi sede da campanha, Beto Salame, deputado federal eleito pelo PROS, começa a trabalhar logo cedo. O telefone celular não para de tocar desde as seis da manhã e ele já está no escritório por volta das oito. Enquanto recebe os parabéns pela vitória obtida no domingo (5), Beto aproveita para convidar a todos para a reunião desta quarta-feira, em Marabá, com Helder Barbalho, candidato ao governo do Pará. “A caminhada não acabou”, diz ao telefone. “Precisamos trabalhar para eleger o Helder e a Dilma”, complementa. Em meio ao trabalho de mobilização, Beto Salame concedeu a seguinte entrevista:
Como você avalia essa vitória?
Beto – Quero aproveitar logo para agradecer a cada um dos 93.524 eleitores que confiaram na mensagem que levei durante a campanha. E claro, agradeço ao prefeito de Marabá, João Salame, ao deputado Asdrubal Bentes, aos vereadores, prefeitos, vice-prefeitos e aos militantes e simpatizantes que levaram essa mensagem de renovação e de desenvolvimento que foi a marca da campanha. Fundamental ressaltar a vitória de João Chamon, que tenho certeza será um grande deputado estadual e que, ao lado do Dirceu, essa jovem revelação da política paraense e do Tião Miranda, político experiente, poderão representar muito bem Marabá e região. Sendo filho de Marabá, fico feliz pela eleição desses três marabaenses.
Quais as principais propostas que você pretende apresentar em Brasília?
Beto - Nada me parece mais importante que garantir recursos para os municípios do interior do Pará. Falei e repito: a concentração de recursos em Belém e a retração econômica do Pará geraram uma situação de sofrimento para nossa gente. É preciso aumentar os recursos e dividi-los de forma mais coerente. Municípios estão sem recursos para investir em saúde, educação e obras. É preciso encontrar mecanismos para trazer mais verbas para o interior do Pará.
Como você pretende influir nessa discussão?
Beto – Existem vários mecanismos. Em primeiro lugar, na Câmara Federal tramitam diversos projetos que alteram a regulamentação da extração mineral no País. Essa discussão interessa diretamente ao Pará, um dos maiores produtores de minérios do País. Será preciso discutir as alíquotas da CFEM – chamada de “royalties” - a forma de divisão entre os estados e municípios, o sistema de cobrança, a destinação desses recursos e os mecanismos de implantação de projetos minerários no que diz respeito à proteção ambiental e as condicionantes pelo impacto social que causam. Além disso, tem a discussão sobre as compensações pela perda de receita causada pela Lei Kandir e a luta pela Hidrovia Araguaia-Tocantins e Alpa.
O atual governo criou a “taxa da mineração”. Em sua opinião isso melhorou a situação dos municípios paraenses?
Beto – Infelizmente, essa taxa não trouxe maiores benefícios para os municípios. Em especial, para aqueles onde a mineração é atividade relevante. É fundamental que as bancadas federal e estadual do Pará se reúnam com o futuro governador para rediscutir o destino desses recursos.
Você já está em campanha para Dilma e Helder. Por que é tão importante eleger os dois?Beto – Tenho dito sempre que o que nos move é a esperança. E a nossa esperança de dias melhores para o Brasil e para o Pará, está na eleição de Dilma e Helder. Os programas sociais e de infraestrutura em andamento e os outros programados por Dilma não podem se perder. Não podemos voltar ao passado, quando os mais humildes eram esquecidos pelo poder público. Se hoje os filhos dos menos favorecidos podem cursar universidade ou fazer um curso técnico isso se deve à Dilma e Lula. Se os mais pobres podem sair do aluguel e comprar comida para alimentar seus filhos é graças ao Minha Casa Minha Vida e ao Bolsa Família, programas criados por Dilma e Lula. Se Marabá vai receber mais R$ 600 milhões em investimentos federais é porque Dilma e Lula conseguem ver a necessidade de levar desenvolvimento para o interior do País. Então, não resta dúvida: Dilma é a melhor opção para a gente seguir em frente.
E quanto ao Helder?
Beto – No Pará, é preciso retomar o caminho do desenvolvimento com justiça social e combate à desigualdade. Helder é nossa esperança de que isso venha a acontecer. É jovem, tem experiência, novas ideias e uma postura democrática, capaz de ouvir as demandas da sociedade e agir a partir dessas necessidades. Tem a disposição de trabalhar por todas as regiões, estabelecendo parcerias de verdade com as prefeituras do interior. Por tudo isso, tem meu apoio.
Para concluir, qual pedido você faria ao eleitorado paraense?
Beto – Novamente agradeço a confiança e o apoio. Garanto que vou trabalhar muito para honrar esses milhares de votos. Mas, quero dizer que aquele velho ditado está valendo: a luta continua. Precisamos garantir que no Governo do Pará e na Presidência da República estejam pessoas comprometidas com os valores democráticos, com o desenvolvimento do interior e com mais verbas para os programas sociais e para obras de infraestrutura. Por isso peço o voto de todos para eleger Dilma e Helder. Peço que cada eleitor que domingo passado já votou nos dois, no dia 26 volte às urnas para confirmar esses votos e aqueles que votaram em outros candidatos, peço que reflitam bem e vejam que Dilma e Helder são realmente as melhores alternativas para o Brasil e para o Pará. Agora, é 13 e 15, com certeza.