E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Em mensagem de Ano Novo, Salame enumera conquistas, lembra omissão de Jatene e agradece apoio de Dilma


O prefeito de Marabá, João Salame Neto, acaba de publicar sua mensagem de Ano Novo. No texto, João relembra as condições precárias nas quais encontrou as finanças e administração públicas, além de justificar suas escolhas e prioridades, enumerando os avanços alcançados.
Salame frisa que, mesmo sem contar com o apoio de Jatene, governador tucano do Pará notório pelo rancor que devota aos adversários, vem recebendo suporte da presidente Dilma.
Nota Relevante 
Ao que parece, o descaso de Jatene para com Marabá e região e seu suposto envolvimento no rumoroso caso da tentativa de cassação de João pelo TRE-PA, devem cobrar um preço alto ao tucano.
Conhecido por não gostar de maiores contatos com os eleitores (tucanos, em sua maioria, adorariam inventar uma democracia sem povo), Jatene costuma colocar na algibeira uma quantidade grande de prefeitos e vereadores, que tratam de cabalar votos para o "chefe", enquanto este prefere ficar nos escritórios devidamente refrigerados ou pescando placidamente às margens dos rios próximos de Belém.
Desta vez, com Hélder Barbalho em seus calcanhares, popularidade em baixa na capital e sem o apoio de prefeitos influentes nas regiões de Carajás e Tapajós, depois de ter feito um dos piores governos da história do Pará, Jatene terá que suar o camisão para explicar aos eleitores - quase dois milhões deles moram nas duas áreas - porquê colocou a máquina do Governo do Estado do Pará contra a criação dos novos estados em 2011, em uma campanha que não teve qualquer pudor em qualificar como forasteiros, foragidos e ladrões aqueles que defendem Tapajós e Carajás. Tarefa complicada para Simão e seus acólitos.
Definitivamente, 2014 será emocionante!
Leia a íntegra da nota de Salame abaixo:

Feliz Ano Novo, Marabá!

Quando 2013 finda entendo ser apropriado fazer um rápido balanço deste primeiro ano de gestão à frente da Prefeitura de Marabá.
Não é demais relembrar as condições em que recebi a Administração Municipal. As dificuldades, intuídas durante os longos meses da campanha eleitoral de 2012, mostraram-se ainda maiores e mais graves, a demandar providências urgentes – e algumas vezes indesejadas – mas, necessárias para sanear as finanças do município.
As dívidas colossais, deixadas pela calamitosa gestão anterior, formavam apenas parte do problema. Além de dever muito, a Prefeitura não tinha crédito nem credibilidade. Era preciso demonstrar que a verdadeira mudança havia começado e recuperar a confiança de servidores, fornecedores e da população em geral.
Reuni a equipe de governo e determinei um conjunto de medidas baseadas na mais absoluta austeridade. Reduzi salários – inclusive os do prefeito e secretários municipais, estabeleci o regime de tolerância zero em relação à corrupção e ao desperdício, além de limitar ao mínimo necessário contratações de funcionários temporários, em especial, para cargos em comissão com salários mais elevados.
Ao mesmo tempo, era preciso eleger prioridades e, cumprindo um compromisso de campanha, decidi que pagar salários de nossos servidores seria a maior delas. Em um exercício de intenso diálogo com todos os sindicatos que representam o funcionalismo, chegamos ao acordo que possibilitou o pagamento de todos os salários e outros benefícios atrasados, além de garantir reajuste para todos na data-base da categoria.
Decidi também retomar as diversas obras abandonadas pela gestão anterior e concluí-las. São nove escolas e Núcleos de Educação Infantil – NEI’s, a UPA, entre outras que, com grande esforço, logo entregaremos à população. Esta me parece ser a melhor forma de demonstrar respeito ao dinheiro público.
Outro desafio era retirar Marabá do CAUC. Tínhamos nada menos que 11 negativações neste cadastro e isso nos impedia receber transferências voluntárias do Governo Federal que, tendo à frente a presidente Dilma Rousseff, desde logo se mostrou pronta para apoiar o município.
Com a competência e a dedicação de nossa equipe técnica foi possível retirar todas as negativações e assim garantir recursos federais que, junto com os recursos próprios do município, vão viabilizar novas obras, entre elas 18 novas escolas e NEI’s.
Apesar das dificuldades, iniciamos as obras de macrodrenagem da Grota do Aeroporto, após 30 anos de espera, que contará com 70 quilômetros de asfalto, drenagem, saneamento básico, habitação popular e urbanização, beneficiando mais de 25 mil pessoas, com investimento total de mais de R$ 140 milhões.
Com paciência e muita articulação, conseguimos que parte da bancada federal – a quem agradeço publicamente – destinasse emendas que serão usadas para garantir que sigamos no projeto arrojado de asfaltamento que nos comprometemos a executar.
Licitamos a macrodrenagem da Grota Criminosa, outra obra estruturante e que vai ajudar a mudar para melhor nossa cidade. Enquanto isso, com recursos próprios, tratamos de fazer a manutenção das ruas, avenidas e estradas vicinais do município. Graças a isso, pela primeira vez em muitos anos, não houve interrupção nas principais vias de acesso da zona rural de Marabá.
Com o apoio de parceiros, entre eles o Exército Brasileiro, reformamos escolas e núcleos de educação infantil que estavam em ruínas e motivo de vergonha para todos nós. Apostamos na democracia, com eleições diretas e livres para diretores de escolas – contando com a participação da comunidade escolar. Investimos na formação continuada de professores e técnicos, no transporte escolar e na merenda. Mas, nossa maior conquista foi, sem dúvida, garantir a matrícula de todas as nossas crianças nas escolas do município.
Na Assistência Social, reativamos programas sociais e ampliamos outros, incluindo milhares de famílias através de benefícios como Bolsa-Família, Projovem, Pronatec e tantos outros.
Enfim, apesar das dificuldades, avançamos.
Aqui, é preciso deixar claro que essas conquistas foram alcançadas sem nenhum apoio do Governo do Pará, apesar de todo o meu esforço para estabelecer uma relação efetivamente republicana com o gestor estadual.  A postura do atual governador ficou clara logo nos primeiros dias de janeiro de 2013. Enquanto Belém, tendo um aliado do governador como prefeito, recebia R$ 10 milhões apenas para limpeza urbana, Marabá em estado precário, não teve direito a um centavo sequer. Ao longo do ano, nada mudou.
Por outro lado, nesta caminhada complicada, encontrei na presidente Dilma uma parceira capaz de compensar com sobras o descaso dos poderosos de Belém e interessada em ajudar de forma efetiva Marabá. A ela, meus sinceros agradecimentos, deixando claro que saberemos ser gratos pelas oportunidades que foram oferecidas ao povo de Marabá e pelo compromisso do Governo Federal com o desenvolvimento da região que se refletirão, tenho certeza, na conclusão da Hidrovia Araguaia-Tocantins e na construção de um novo ciclo de crescimento econômico para a região.
Por fim, entendo que o ano de 2013 foi ano de reestruturação, de ordenar a casa, de estabelecer rumos, de plantio e semeadura. O próximo ano será, com a graça de Deus e muito trabalho, ano de navegar no rumo certo, de tornar a casa melhor e mais bonita, de colher os frutos de nossos sacrifícios, de trazer para nossa gente dias de prosperidade e paz.
Obrigado pela confiança que cada marabaense tem demonstrado em nosso trabalho, que Deus nos abençoe e estou certo que teremos todos um grande e feliz 2014!
João Salame Neto
Prefeito de Marabá

Com Plano de Contingência preparado, Defesa Civil monitora elevação das águas do Tocantins em Marabá


No Portal da Prefeitura de Marabá, hoje (31):
Nesta segunda-feira (30), as águas do rio Tocantins atingiram a cota de 8,35 metros acima do nível normal, faltando pouco mais de 1,5 metro para atingir a cota de alerta, estabelecida em 10 metros. Com isso, a Defesa Civil Municipal já iniciou seu plano de contingência, para garantir a retirada e abrigos seguros para as famílias que poderão ser atingidas pela subida do Rio Tocantins.

Esta elevação é considerada atípica pelos especialistas. Eles lembram que, este ano a cota de 8 metros foi atingida apenas em 30 de janeiro e a expectativa era que o mesmo acontecesse neste período de chuvas que se aproxima.

Segundo Márcio Costa, coordenador da Defesa Civil Municipal, na semana passada, as fortes chuvas tanto em Marabá e região, quanto nas cabeceiras do rio Tocantins, explicam a elevação do nível das águas, contrariando as previsões da Eletronorte e da Defesa Civil, que monitoram o regime de águas dos rios da região.

Sobre o atendimento aos possíveis desabrigados, Márcio Costa deixou claro que a ideia é construir abrigos para 400 pessoas e, havendo necessidade, novos abrigos serão erguidos, com apoio dos demais órgãos que integram a defesa civil.

Ainda de acordo com Márcio Costa, o Plano de Contingência da Defesa Civil já está pronto e nele estão contidas as atribuições de cada órgão envolvido, como as Secretarias de Assistência Social e de Saúde, Corpo de Bombeiros e Exército Brasileiro, os quais devem começar a atuar quando o número de desabrigados subir.

“Neste primeiro momento, nós vamos ficar em dois ou três veículos e à medida que o rio for subindo, vamos aumentando nosso contingente. Quando houver necessidade, vamos acionar os demais órgãos que integram a Defesa Civil”, explica Márcio Costa.

A ideia inicial da Defesa Civil é construir abrigos logo na primeira semana de janeiro, de forma preventiva, para evitar os atropelos comuns em períodos de enchente em Marabá.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

A vítima encontra o carrasco. Veja o vídeo.

Os mais jovens jamais entenderão, mas quem tinha pelo menos 10, 12 anos em 1982 viveu um tempo de magia e encantamento que, por curto que tenha sido - como todas as melhores coisas da vida - foi intenso, brilhante e deixou marcas impossíveis de esquecer. Naqueles tempos, vivíamos entre gigantes da bola, entre os últimos deuses do futebol.
Eu já contava 14 para 15 anos e não estava imune ao espírito daqueles tempos. Claro que estou falando da Seleção Brasileira de 82. Formada por super-heróis como Sócrates, Zico, Cerezo, Falcão, Leandro, Júnior, Éder, Oscar e outros mais, era a encarnação da arte no único jogo que realmente importa para todo o planeta. A cada jogo um novo espetáculo era exibido, uma nova aventura era vivida, uma verdadeira ópera era encenada. A questão não era "SE", mas de "QUANTO" os heróis ganhariam!
Até que a aventura tornou-se tragédia...
No Parque do Sarriá, na Espanha, em uma tarde ensolarada de julho, os heróis foram destruídos e derrotados por um esquadrão azul liderados por um certo Paolo Rossi que, com três gols, nos fez chorar a todos.
A Seleção de 82 não ganhou nada, mas para quem teve a honra de vê-la jogar, estará sempre lá, em um canto especial da memória, em um lugar de honra que reservamos àqueles que se fizeram grandes por seus próprios méritos.
Agora, faltando alguns meses para a Copa de 14, a Visa lança um comercial que mostra o torcedor brasileiro que virou protagonista da Copa de 1982 ao ser fotografado chorando após a derrota do Brasil para a Itália, encontrando o grande carrasco Paolo Rossi. Ele, claro, perdoa o ex-atacante pelo sofrimento causado. Eu perdoei também. Compreendi que não são apenas os resultados que contam. Mais importante é o caminho percorrido e as boas lembranças que deixamos espalhadas ao longo dessa estrada. Assim é o jogo, Assim é a vida.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

João Salame lamenta falecimento de Nelson Mandela. Leia nota oficial.

O prefeito de Marabá, João Salame divulgou nota lamentando o falecimento de Nelson Mandela, líder mundial símbolo da luta pela Liberdade e Igualdade.
Segue a íntegra da nota:

Nota Oficial
Hoje faleceu Nelson Mandela.
A partida deste guerreiro da Liberdade deverá servir para que todos possamos refletir sobre os valores universais que nos devem guiar.
Para ele – e assim deve ser para nós - Igualdade e Democracia não são negociáveis. Haveremos de ser intransigentes na defesa desses valores.
A luta de Mandela será sempre um exemplo para aqueles que ousam construir um mundo melhor, no qual palavras como Solidariedade e Fraternidade sejam traduzidas em políticas públicas que reforcem a inclusão e a proteção para aqueles que mais necessitam.
Certa vez Mandela disse que "ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar."
Que este ensinamento seja apreendido por todos nós e que possamos seguir construindo um mundo de Paz, no qual o exercício da tolerância seja permanente.
Vá em paz e com alegria, Madiba, com a certeza de que cumpriu com honra sua missão!
João Salame Neto
Prefeito de Marabá


quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Corregedoria pode investigar delegado geral do Pará, diz blogueira.

A sempre bem informada blogueira Franssinete Florenzano, conta que o baleamento do delegado geral do Estado do Pará pode ir parar na Corregedoria. Ao que parece, a história contada inicialmente - que o policial estaria voltando de uma ronda pelas seccionais da capital - não procede.
O delegado estaria em companhia de uma oficial da PM e outra pessoa na Casa das Onze Janelas, um dos points mais badalados de Belém e, ao retornar para sua casa - sempre em companhia da oficial PM - acabou baleado.
Sendo verdade isso, diversas irregularidades foram cometidas e o que já estava ruim pode piorar.
Estando o delegado em missão ou curtindo na balada muito bem acompanhado, não muda o fato: O GOVERNO JATENE FALIU NO QUE DIZ RESPEITO À SEGURANÇA PÚBLICA - E EM DIVERSAS OUTRAS ÁREAS. INCAPAZ DE PROTEGER SEUS MAIORES EXPOENTES, AINDA MAIS INCAPAZ SERÁ PARA PROTEGER O CIDADÃO "COMUM".
Leiam a íntegra da postagem de Franssinete Florenzano:

domingo, 1 de dezembro de 2013

O governo Jatene faliu! Nem o delegado-geral do Pará está livre do crime!

Garanto que pretendia exercitar o sagrado direito ao ócio, pelo menos até amanhã. Depois de meses, primeiro final de semana "lambendo as crias" e colocando em ordem as ideias, antes de mergulhar novamente no corre-corre do cotidiano.
Mas, quando o Delegado-Geral do Estado do Pará é baleado estamos muito perto do caos e é preciso deixar o ócio de lado. O crime é o retrato do descalabro patrocinado pela incompetência e ineficiência do atual governo tucano no Pará.
O crime não aconteceu em um bairro periférico, integrante das famosas "áreas vermelhas" que pontuam o mapa da capital do Pará. O policial foi baleado no CENTRO DA CAPITAL. Fica provada a falência completa do governo de Simão Jatene, o pior dos últimos 50 anos na história do Pará.
Se o governo tucano do Pará não consegue proteger seus mais altos funcionários da área da Segurança Pública, o que pode esperar o cidadão comum, aquele que com seus impostos financia a farra tucana?
Morássemos em outro país ou vivéssemos outro tempo, Simão Jatene seria apeado imediatamente do poder.
Mas, no país que vivemos e nos tempos que correm, haveremos de esperar alguns meses para derrotá-lo nas urnas. Tornou-se um imperativo categórico livrar o Pará de Jatene.
A incompetência dos tucanos tornou-se - literalmente - mortal para o povo paraense.
A crise na segurança pública é apenas uma entre tantas. O caos se estabeleceu na Educação, Saúde, Finanças... enfim, entre TODOS os setores deste arremedo de governo, esta pantomima encenada pelos tucanos no Pará.
É preciso dar um basta nisso!
E atenção líderes e partidos oposicionistas: vocês são os responsáveis pela construção de um projeto capaz de derrotar este falido plano tucano de perpetuar-se no poder. Que vocês sejam capazes de, vencendo as diferenças, estabelecer uma estratégia boa o suficiente para alcançar esse objetivo. É isso, ou vocês também se tornarão responsáveis pela falência do Pará e serão cobrados por isso.
Veja a íntegra da notícia a seguir:

Delegado geral do Estado é baleado em tentativa de assalto


O delegado geral de Polícia Civil do Estado, Rilmar Firmino de Souza, foi baleado na madrugada deste domingo (1º) durante uma tentativa de assalto. Ele foi atingido no abdômen com um tiro de revólver calibre 38. O crime aconteceu por volta das 3h30, na rua dos Mundurucus, próximo à avenida Generalíssimo Deodoro, quando ele voltava de uma ronda pelas seccionais e delegacias. 
De acordo com informações da polícia, dois homens armados abordaram o veículo dirigido pelo delegado. Um deles atirou contra o policial e acabou sendo detido após ser atingido por um disparo feito pelo delegado. O outro homem envolvido na tentativa de assalto fugiu e está sendo procurado pela polícia. Um mulher que dava apoio à dupla de assaltantes também foi presa.
O delegado Gilvandro Furtado, diretor da Divisão de Homicídios da Polícia, é quem está responsável pelo inquérito. A delegada geral adjunta, Christiane Ferreira, assumirá interinamente o comando da Polícia Civil até que Rilmar Firmino se restabeleça completamente.
Recuperação - O delegado geral foi encaminhado para o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua, e passou por uma cirurgia para retirada do projétil, que ficou alojado no músculo. O quadro clínico do policial é estável, mas permanecerá internado em observação pelas próximas 24 horas.

Em nota, o Sindicato dos Servidores Públicos da Polícia Civil do Estado do Pará (SINDPOL/Pa), lamenta a violência sofrida pelo delegado geral e 'externa ainda, mais uma vez, o seu repúdio à violência que a cada dia vem aumentando e assolando o nosso estado,  vitimando, inclusive, os policiais civis e militares.