E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

DNIT autoriza asfaltamento de 849 km da Transamazônica, mas Funai embarga obra

O deputado federal Zé Geraldo (PT), anunciou hoje (12) que, depois de anos de marchas e contramarchas, finalmente saiu a licença para o asfaltamento da Transamazônica desde a divisa do Pará com Tocantins até Rurópolis. Serão mais 840 km de asfalto. Uma obra, sem dúvida, que paga uma dívida histórica da União com as centenas de comunidades que vivem abandonadas às margens da rodovia.
Coisa para realmente comemorar.
Pena que sempre existam contratempos, quando o assunto é asfalto na Transamazônica.
Desta vez, foi a Funai que resolveu botar areia na paçoca.
Dois subtrechos que cortam terras indígenas foram temporariamente suspensos.
As obras serão paralisadas ou não poderão começar entre os quilômetros 232 e 310 próximo à cidade de Novo Repartimento e entre os quilômetros 728 e 851 entre Medicilândia e Rurópolis. A decisão da Funai em manter estes dois trechos contingenciados se baseiam nas condicionantes que se referem ás terras dos Parakanã e Arará.
Em seu perfil no Facebook, Zé Geraldo comemorou o licenciamento, mas expressou sua preocupação com o atraso causado pela postura da Funai. "Com esta decisão, as duas frentes de trabalho já instaladas próximas à Novo Repartimento e Medicilândia não poderão dar continuidade ao asfaltamento até chegar em Itupiranga e Uruará, respectivamente, o que atrasará em muito as obras como um todo se não conseguirmos reverter o mais rápido possível este bloqueio", disse Zé Geraldo.
O deputado pediu, ainda, a mobilização de todos para forçar a revisão da decisão. "Precisamos e estamos desde já em intensa negociação com a Funai, o DNIT e a Coordenação do PAC das Estradas da Secretaria do Programa de Aceleração do Crescimento do Ministério do Planejamento para que sejam imediatamente liberados partes destes dois trechos contingenciados nas proximidades dos canteiros de obras já existentes para que possamos aproveitar todo o período sem chuvas na região para avançar o máximo com o asfaltamento da estrada. Desta mesma forma, conclamo para que todos os moradores da região se envolvam e lutem, como já venho fazendo em Brasília, para que haja um acordo entre o DNIT e a Funai para a liberação de pelo menos mais alguns subtrechos dos dois trechos em questão", disse Zé Geraldo.