E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Atendimento na Pediatria do HMM recebe aprovação de usuários

A Saúde Pública é, sem dúvida, o maior desafio para gestores de todo o País. Recursos escassos estão somados à grande demanda e a um sistema baseado no atendimento universal, para formar um quadro no qual não faltam imagens ruins.
Mas, nem só de crises vive a Saúde.
No Hospital Municipal de Marabá (HMM), por exemplo, o setor de Pediatria vem conseguindo melhorar o atendimento a ponto de arrancar elogios dos principais interessados: os pacientes e seus familiares.
Uma equipe formada por mais de 20 profissionais da saúde – entre médicos, fisioterapeutas, enfermeiros e técnicos de enfermagem – atendem nada menos que 50 crianças todos os dias de Marabá e das cidades vizinhas.
Quem comanda esta força-tarefa é a Dra. Lívia Elisei. Natural da cidade de Cruzeiro (SP), a médica está radicada há pouco mais de dois anos em Marabá e desdobra-se para atender seus pacientes no HMM e no Hospital Materno-Infantil (HMI).
Lívia não demonstra sentir a pressão por conviver em meio ao caos. Afável e tranquila, conta que a equipe é responsável por receber os pacientes encaminhados pela Emergência, além de acompanhar os ocupantes dos dez leitos que a Pediatria tem disponíveis.
Enquanto conversa com a reportagem atende diversos telefonemas, recebe informações do corpo técnico e discute com outros médicos qual o tratamento adequado para um de seus pacientes mirins. Mostra uma pasta recheada com prontuários que terá que analisar.
Os casos que chegam à Dra. Lívia e sua equipe são os mais variados. Mas, uma certa recorrência de pneumonia chama a atenção. Segundo Lívia, o clima quente e úmido, a poeira e alimentação pobre em proteínas e vitaminas são as principais causas da alta incidência da doença em Marabá.
- A boa notícia é que, a partir do momento em que tivermos maiores investimentos na área da Atenção Básica, com mais equipes do Programa Saúde da Família, esses casos vão começar a diminuir.O prefeito João Salame vem buscando garantir novos leitos de UTI pediátrica para os dois hospitais da cidade. Lívia comemora. Atualmente, apenas o Hospital Regional do Sudeste dispõe desse tipo de instalação e nem sempre é possível conseguir vaga para pacientes em estado grave. Por vezes, as perdas são inevitáveis.
Mas, enquanto os leitos de UTI não veem, o esforço e a dedicação da equipe de Lívia seguem fazendo a diferença e salvando vidas. Foi isso que aconteceu com o pequeno Arthur Santos Gatti, de 5 anos de idade. Ele deu entrada no dia 30 de abril no HMM, vindo de Nova Ipixuna.
A mãe de Arthur, Audicélia Santos Quadro, conta como foi a chegada ao HMM.
- Cheguei aqui com meu filho no colo, sem andar ou falar, ele estava torto e chorava e gritava sem parar.
Em Nova Ipixuna, Arthur chegou a ser levado pela mãe por três vezes até a unidade de saúde. Finalmente, a criança foi encaminhada para Marabá. Na cidade não havia leitos para internação.
Recebido pela equipe de Lívia, Arthur foi encaminhado imediatamente ao centro de diagnósticos. Ele apresentava uma estágio avançado de meningite e teve que ser isolado para o tratamento.
A luta de Arthur pela vida durou 14 dias, sempre acompanhado pela equipe da Pediatria. Arthur recebeu o tratamento completo para a doença, passando a ser atendido pelo infectologista Alex Freitas e pela equipe de fisioterapeutas, que durante dias ajudaram a criança a recobrar os movimentos.
Auricélia conta sobre os seus receios durante o tratamento.
- Tivemos medo do Arthur ter sequelas, aos poucos ele voltou a andar e falar, mas eu o sentia distante. O doutor Alex me aconselhou a trazer algo para ele brincar
A luta de Arthur mobilizou mais gente. Maria Amália Santos, avó de Arthur e mãe de Audicélia veio da Bahia para acompanhar o tratamento do neto, ficou no hospital com a filha até o fim do tratamento e tratou de elogiar a equipe da Dra. Lívia.
- Foi um momento muito difícil, mas a equipe do hospital em nenhum momento dificultou as coisas pra nós, eu pude inclusive, acompanhar minha filha e meu neto durante todo o tratamento.
Arthur recebeu alta médica ontem (14) no fim da tarde, sem sequelas e a mãe, feliz, fez questão de agradecer à equipe da Pediatria.
- Já ouvi muitas coisas sobre o hospital, mas hoje posso dizer que o atendimento é bom. Estou saindo com meu filho andando, sorrindo, falando e me ouvindo. Só tenho a agradecer.
O elogio serve como recompensa pelo grande trabalho que a equipe da Dra. Lívia vem realizando na Pediatria do HMM.