E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Jatene, o incrível cara que ao manter o Parazão fez o estado diminuir

Ah, as palavras! Como são traiçoeiras as palavras! Acima, out-door, dos tantos espalhados por Marabá e região a mando de Jatene e dos seus. Este Pará que "cresce diminuindo", é claro, só existe nos sonhos de Jatene e tucanetes. O Pará, sabemos todos, diminui sua influência, prestígio e riqueza ao aumentar a violência, o analfabetismo e a carga tributária. Aumentam também os buracos nas estradas e - dizem por aí - as contas bancárias de alguns. Diminuem nossa paciência com um governo ineficiente e recordista em diminuir investimentos, mas que adora fazer aceno com chapéu alheio - em Marabá, obras de saneamento, contratadas ainda por Ana Júlia seguem inacabadas e a iluminação da Transamazônica reformada, coisa do Governo Federal, Jatene as coloca em seu caderno de "realizações".
De outro lado, aumenta a vontade de retomar a luta por Carajás e nos livrarmos de vez da inoperância e do abandono. Mas, enquanto Carajás não vem, precisa diminuir esta vontade danada que sentem alguns políticos carajaenses em rebaixar-se ao extremo em troca das migalhas que caem da mesa dos poderosos de Belém.
Jatene, ao manter este Pará grandão e ingovernável, conseguiu aumentar sua rejeição e fazer encolher o Parazão. Um milagre às avessas.
O out-door ao lado de Jatene, que reflete a insatisfação dos delegados de Polícia Civil, vai de brinde para reflexão de vocês.