E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

quarta-feira, 13 de março de 2013

Salame rebate críticas sobre shows no Centenário de Marabá

Quem conhece João Salame sabe que dificilmente guarda "do almoço para a janta". O prefeito de Marabá costuma responder às críticas em pouco tempo e sempre de forma incisiva. Recentemente, após anunciar as atrações artísticas do Centenário, críticas espocaram em função da ausência de cantores evangélicos. Salame não se manifestou, mas articulou a inclusão de André Valadão entre as atrações. A seguir foi a vez dos católicos reivindicarem um representante na festa. Desta vez, Salame tratou de esclarecer. "Na realidade a prefeitura não tem dinheiro para bancar os shows que estamos trazendo. São empresários que estão patrocinando. Pelo simples fato de que temos que priorizar o pagamento dos salários atrasados dos servidores, colocar para funcionar o Centro Cirúrgico do Hospital Municipal, reformar e construir escolas, garantir a merenda escolar, limpar a cidade e recuperar as ruas que estão intrafegáveis", disse Salame através de seu perfil no Facebook.
Acertadamente, a Administração Municipal está colocando-se à disposição para executar, com todo o carinho e brilho que merece, a festa do Centenário, mas em tempos de contenção de despesas, gastar dinheiro público com pagamentos de cachês elevados soaria mesmo como um presente às avessas para Marabá.
Os empresários que estão associando suas marcas à festa do Centenário, claro, não o fazem de graça. Estão de olho na possibilidade de soerguimento da Prefeitura de Marabá, marca que andou combalida, desvalorizada e sem credibilidade nos últimos anos. A eleição de João Salame, ano passado, e suas primeiras medidas à frente da Prefeitura acabaram por fazer renascer a expectativa que, afinal, Marabá tem futuro desde que bem administrada.
Além disso, fica muito mais em conta cada patrocinador arcar com partes dos custos e veicular seus anúncios e marcas de forma coordenada e eficiente para um público de milhares de pessoas que participarão das atividades.      
João Salame, como sempre rápido no gatilho, foi direto ao alvo. "Estamos esperando que os empresários católicos, que são em número muito maior que os evangélicos em Marabá, também façam a sua contribuição", escreveu Salame.
Leia a seguir a íntegra da manifestação de João Salame.
Muitas pessoas tem me ligado ou postado no face reclamações pela falta de cantores católicos na programação do aniversário de Marabá. Antes muitas pessoas reclamavam que não tinha cantores evangélicos na programação. Depois que foi divulgado que o André Valadão virá, agora os católicos reclamam.
Na realidade a prefeitura não tem dinheiro para bancar os shows que estamos trazendo. São empresários que estão patrocinando. Pelo simples fato de que temos que priorizar o pagamento dos salários atrasados dos servidores, colocar para funcionar o Centro Cirúrgico do Hospital Municipal, reformar e construir escolas, garantir a merenda escolar, limpar a cidade e recuperar as ruas que estão intrafegáveis.
Depois que divulgamos que Zeca Baleeiro, Zeca Pagodinho, Lya Soares, Cesar Menotti e Fabiano e Djavan viriam, patrocinados pelas empresas locais, um empresário evangélico nos procurou e decidiu pagar a contratação dos cantores André Valadão e Mila Carvalho. Também acho que deveríamos ter um cantor católico. Estamos esperando que os empresários católicos, que são em número muito maior que os evangélicos em Marabá, também façam a sua contribuição. Estou fazendo contato com alguns deles e quem tiver condições de contactar algum empresário que o faça. Mas não posso abrir mão de pedir a contribuição dos empresários, que ganharam dinheiro e se consolidaram nesses cem anos de Marabá. Chegou a hora deles homenagearem a cidade que lhes deu o que possuem. Afinal não é todo dia que comemoramos cem anos!