E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Em SC, Femusc aproxima jovens e crianças da música clássica. Uma grande ideia que merece ser copiada.

Quando a gente pensa que tudo vai de mal a pior, vez por outra aparece uma boa ideia que pode muito bem ser replicada com sucesso em outros lugares, com resultados iguais ou até melhores e que injeta alguma esperança.
Vejam lá.
Há oito anos a cidade de Jaraguá do Sul (SC) promove o Festival de Música de Santa Catarina (Femusc). A edição deste ano será encerrada hoje (2), como a apresentação da Mega Orquestra a partir das 20h30. Até aí nada demais.
Mas, o que chama atenção neste festival é a preocupação com a formação de novas plateias. Ao lado de apresentações de alta performance com músicos nacionais e estrangeiros, está clara a ideia de atrair crianças e jovens para o ambiente da música clássica.
Considerada "elitista", "excludente" ou "difícil" por muitos, a música erudita precisa apenas de uma chance para seduzir e se este processo de atração acontece ainda na infância, muito melhor. Talvez não sejam produzidos novos Ayans ou Arancans a mancheias, mas aqueles alcançados por este saudável contágio terão acesso a um mundo incrivelmente novo e repleto de sensações inesquecíveis. Claro que, como bônus, alguns serão fisgados. Tanto melhor.
E visando a aproximação entre público e orquestra, os organizadores do evento criaram o "Zoológico Musical", uma oportunidade para que crianças e jovens interajam com instrumentos que só tinham visto à distância ou sequer conheciam.
Além disso, tem ainda o o "Femusckinho", projeto que inclui uma colônia de férias musical para as crianças e pré-adolescentes, entre 6 e 12 anos – mesmo aquelas que não tenham nenhuma experiência ou conhecimento musical. São classes de flauta-doce, coral, musicalização e instrumentos de corda.
Por fim, o FEMUSC Jovem oferece a continuidade do ensino de música para os adolescentes de 12 a 17 anos que já participaram do Femuskinho ou já estudam algum instrumento musical em outras escolas ou projetos. Estes acabam tendo acesso às classes de composição e leitura musical, classes de instrumentos e formação de orquestra. As atividades encerram com a apresentação das crianças no concerto de encerramento do Femusc na Sinfonietta batizada de OSNI – Orquestra Sinfônica Não Identificada sob a regência do maestro argentino Norberto Garcia (sendo entrevistado no vídeo acima). O concerto, que mistura música clássica e teatro, terá no programa as obras “Sinfonia n.9 – novo mundo”, de Antonin Dvorak, e “Aprendiz de feiticeiro”, de Paul Dukas, do espetacular "Fantasy", da Disney, duas obras que exigem o mais alto nível técnico dos músicos, mas que foram escolhidas pelos próprios alunos do Femusc para integrar o repertório dos Concertos para Famílias.
Com uma estrutura financeira baseada nas parcerias dos governos municipal, estadual e federal com o apoio da iniciativa privada, espera-se que iniciativas sejam replicadas em outros municípios. A boa música agradece.
Fechando a programação, às 20h30 a série Grandes Concertos reúne no palco do Grande Teatro a Mega Orquestra do Femusc, formada por 400 músicos. O programa de encerramento terá a regência de Alex Klein e Catherine Larsen-Maguire, apresentando obras como “Marcha triunfal de Aída” (Giuseppe Verdi), “Adagietto” (Gustav Mahler), “Valsa das flores” (Peter Tchaikovsky); “Huapango” (José Moncayo), “Danças Infernal” (Igor Stravinsky); “Variações Enigma” (Edward Elgar); e finalizando o clássico “Tico-Tico no fubá” de Ernesto Nazareth.