E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Zenaldo e os maus companheiros...


Ainda que tente ser neutro em relação à disputa por Belém, tem certas coisas que, parodiando Jefferson (o Roberto, não o Thomas), despertam em mim os instintos mais primitivos. É o caso da foto acima. Nela aparece um velhinho a fazer um espécie de "z" com os dedos. Postada no site oficial da candidatura de Zenaldo Coutinho, do PSDB, está acompanhada por um texto no qual informa-se que "mais de 200 lideranças" aderiram ao "projeto" do tucano na quinta-feira (11). A reunião foi promovida por Nadir Neves, do PTB - o velhinho dos dedos em "z".
Nadir Neves ficou marcado em minha memória como aquele "inteligentão" que, durante a discussão do plebiscito pela criação de Carajás e Tapajós, apresentou a gentil ideia de barrar a entrada de "forasteiros" no Pará. Na época, mostrei aqui no blog a obtusidade da ideia e do autor da ideia.
Neves queria montar uma espécie de polícia de fronteiras a impedir que nascidos em outros estados da federação entrassem no Pará. Considerando a performance ridícula do governo tucano do Pará, caso a ideia de Neves fosse implementada acabaria destinada a impedir que os paraenses, em busca de assistência médica, educação e estradas, deixassem o Pará.
Mas, escolher maus companheiros parece aos poucos tornar-se um método para Zenaldo.
Dia desses vimos Zenaldo abraçado a um pastor todo enrolado em denúncias diversas, agora novas tertúlias com alguém tão obtuso quanto Nadir Neves - que em boa hora foi defenestrado, pelos eleitores, da Câmara Municipal de Belém.
É, Zenaldo... com estas companhias, mano...está cada vez mais difícil.