E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

TJ/SP condena Hebe Camargo por danos morais

No Terra, hoje (3):
O Tribunal de Justiça de São Paulo condenou Hebe Camargo a pagar uma indenização de 300 salários mínimos (R$ 186.600 mil) por danos morais a Márcia Alves, mulher do cantor Chitãozinho, da dupla Chitãozinho e Xororó. Publicada na sexta-feira (28), um dia antes da morte da apresentadora, a condenação ainda determina o pagamento de R$ 37.320 mil para cobrir as despesas processuais e os honorários do advogado de Márcia. Ao todo, o valor fica em cerca de R$ 223 mil.Com a morte de Hebe, que aconteceu na madrugada de sábado (29), o processo deve ser suspenso até que seu espólio seja integrado à ação. Ainda cabe um recurso e, caso a decisão seja mantida, o valor da condenação deverá ser abatido da herança.
A confusão começou no final de 2000, um ano depois de Chitãozinho se separar da mulher, Adenair, após 18 anos de casamento, para assumir a relação com Márcia, ex-dançarina do grupo Banana Split. Na ocasião, Hebe convidou a ex-cônjuge do sertanejo e os dois filhos do casal para participar de seu programa. A apresentadora, então, atacou homens que "largam a família e os filhos porque pensam que estão apaixonados por uma Capitu", em referência à prostituta da novela global Laços de Família, que era exibida na época.
O documento também aponta outros comentários nos quais Hebe se refere a Márcia como "coisa", "falsa", "moça", "garota de programa", "Capitus da vida" e frequentadora "do Café Photo", famosa casa de prostituição na capital paulista. Durante o programa, ela ainda aproveitou a presença dos filhos de Adenair e Chitãozinho para perguntar como eles lidavam com a situação, se "os colegas de escola amolaram muito?", entre outras observações. O menino chegou a responder: "não sou contra ou a favor, muito pelo contrário" e "só quero que meu pai seja feliz".
No relatório, o juiz destaca a importância da "liberdade midiática", mas observa que "é óbvio que não pode esta extravasar aos limites da legalidade e da decência". Também é concluído que "a requerida (Hebe) não poderia realizar um programa com estes questionamentos, perante o ex-cônjuge e seus filhos, sem correr o risco de partidarizar posicionamentos de crianças, em relação ao pai e sua companheira", além de que, na ausência de Márcia para se defender, esta foi "condenada por antecipação, nada obstante enxovalhada e agredida psicologicamente".
A família de Hebe ainda não se pronunciou sobre o caso. Márcia e Chitãozinho estão juntos até hoje e têm um filho, Enrico, nascido em 2002.