E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Dilma e Geraldo entram em campo por Haddad e Serra

Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Gilberto Kassab (PSD) estão em campo desde a noite de domingo passado para costurar as alianças com os "seus" candidatos a prefeito de São Paulo, o petista Fernando Haddad e o tucano José Serra. Tanto o governo de São Paulo quanto o Planalto negociam nos bastidores a abertura de espaços em secretarias e ministérios aos aliados dos candidatos no 2.º turno. Há previsão de mudança de equipes em Brasília para contemplar o PMDB, que vai apoiar Haddad. O PDT e o PTB, que embarcarão na campanha de Serra, devem receber compensações do Palácio dos Bandeirantes.O PRB, de Celso Russomanno, também conversou com Alckmin e Dilma, e deve anunciar a decisão nesta quarta-feira (10).Na terça-feira (9), Lula e Haddad foram à casa do vice-presidente Michel Temer (PMDB) formalizar a aliança entre PT e PMDB, de Gabriel Chalita. O anúncio ficou para esta quarta, às 15 horas, quando Temer se reúne com os dirigentes do PMDB paulista. Para o vice, o resultado das eleições reforça a aliança nacional para 2014.
Ao conduzir o PMDB para reproduzir em São Paulo a parceria com o PT, Temer quer que o partido tenha espaço proporcional ao que ocupa na esfera federal – o partido controla hoje seis ministérios. Temer, porém, não teria colocado a participação em secretarias municipais como condição para fechar a aliança.
Com o apoio de Chalita, que teve 833 mil votos no primeiro turno, a legenda pretende ampliar o espaço no governo Dilma, reivindicação que já era feita antes da eleição. Também quer o apoio dos petistas em Natal, Florianópolis e Campo Grande. Em São Paulo, o PMDB tenta adesão no Guarujá e Sorocaba – Lula e Dilma vão gravar mensagem aos candidatos. "Estamos disputando em alguns locais onde há possibilidade de PT apoiar o PMDB", disse Temer. O PT negocia o apoio do PMDB em Salvador. Em São Paulo, quer alianças em Santo André e Campinas.
Na terça, Haddad disse que o secretariado não foi tratado na visita a Temer. O PMDB tenta evitar que o apoio seja interpretado como troca por cargos. O discurso acertado é o de que a união se dará em torno de projetos e da incorporação de pontos do programa de governo de Chalita para São Paulo, como a escola de tempo integral, as UPAs 24h e o Poupatempo para as empresas.
PSDB. Para atrair apoios para Serra, Alckmin também telefonou e recebeu no Palácio dos Bandeirantes dirigentes de partidos aliados. Na terça e na segunda se encontrou com o presidente do PTB paulista, Campos Machado, no Palácio dos Bandeirantes. Serra participou da reunião de terça. O PTB apoiará o tucano.
A legenda poderá indicar o ex-vice de Celso Russomanno (PRB), Luiz Flávio D’Urso, para a Secretaria de Justiça, na reforma no secretariado de Alckmin prevista para novembro. O PTB também trabalha para trazer o apoio do PRB de Russomanno.
O governador conversou também na segunda-feira, por telefone, com o candidato derrotado do PDT, Paulinho da Força, para fechar a aliança com o candidato tucano. Kassab recebeu o sindicalista em seu apartamento, com Serra, na madrugada de ontem para finalizar o acerto.
O PDT passou a controlar a Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho, após negociação sobre o apoio de Paulinho em 2014 à reeleição de Alckmin. Antes de terminar a eleição municipal, o governador conversara com o pedetista sobre a aliança com Serra – Paulinho tem mantido discurso crítico ao governo federal. O PDT não terá mais espaço na gestão Alckmin na reforma do secretariado. A decisão do sindicalista de apoiar Serra causou um racha na Força Sindical. Líderes nacionais da entidade afirmaram que a definição da aliança não foi submetida a integrantes do grupo.
O PPS, de Soninha também anuncia nesta terça apoio a Serra. Alckmin conversou sobre a aliança com seu secretário David Zaia (Gestão Pública), do PPS.
Para Haddad ontem foi um dia terrível. O mensalão esteve presente durante todo o primeiro turno, mas, depois que o STF decidiu pela condenação de Zé Dirceu, o tema deve ganhar ainda mais relevância. Para piorar a coisa, Paulo Maluf, aliado de primeira hora do petista, também foi condenado ontem. Serra haverá de explorar estes dois fatos e fará isso rapidamente. Para o petista restará a terrível condição de começar a disputa no segundo turno na defensiva. Não vai ser fácil.