E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Contra vontade de Dilma, PMDB decide apoiar ACM Neto em Salvador

O PMDB decidiu apoiar o candidato do DEM, ACM Neto, no segundo turno da eleição para prefeito de Salvador, contra o petista Nelson Pelegrino, anunciaram os líderes locais da legenda nesta quarta-feira.
Partido da base da presidente Dilma Rousseff e do vice-presidente Michel Temer, o PMDB tem cinco ministérios e vários cargos no governo federal, inclusive a vice-presidência de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, cujo titular é Geddel Vieira Lima, um dos principais nomes do PMDB baiano.
Ainda assim, o partido decidiu apoiar ACM Neto, que como deputado federal é um dos mais ferrenhos membros da oposição no Congresso Nacional."Depois de domingo, fiz uma série de consultas a diversas instâncias e militantes do partido e chegamos à conclusão de que o melhor era apoiar ACM Neto", disse o presidente do diretório estadual do PMDB na Bahia, Lúcio Vieira Lima, segundo o site do diretório da legenda.
Na entrevista coletiva em que o PMDB anunciou o apoio ao candidato do DEM, Geddel foi taxativo ao anunciar que não deixará o cargo na Caixa por conta da decisão. "Não vou deixar a Caixa Econômica Federal", disse.
No primeiro turno da eleição em Salvador, o PMDB lançou a candidatura de Mário Kertész, que teve 9,43 por cento dos votos válidos.
ACM Neto foi o mais votado na primeira rodada de votação com 40,17 por cento dos votos, enquanto Pelegrino ficou com 39,73 por cento.
O candidato do DEM comemorou o apoio do PMDB e disse acreditar que o partido poderá ser uma ponte entre um eventual governo seu e o governo federal.
"Estou muito feliz com esse apoio, que é muito importante. Além de tudo isso, o PMDB vai ser interlocutor nosso no governo federal. Nada melhor do que ter um partido forte como o PMDB para construir essa ponte em Brasília", disse.
Salvador, assim como São Paulo, deve ser uma das poucas cidades em que Dilma participará da campanha de candidatos do PT. Isso porque, nas duas cidades, petistas enfrentam candidatos de partidos da oposição.