E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Câmara Federal discute gestão de transporte e logística nesta semana

A Frente Parlamentar Mista para o Fortalecimento da Gestão Pública promove nesta terça e quarta-feira (23 e 24) o Seminário de Gestão de Transporte e Logística, que vai discutir os principais desafios do setor. O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, participará da abertura do evento nesta terça, às 9 horas, no auditório Nereu Ramos. Somente a abertura do evento ocorrerá na Câmara. Os debates serão realizados na sede da Escola de Administração Fazendária (Esaf), na tarde de terça e na manhã de quarta.
“A logística brasileira é um dos fatores que emperram o crescimento econômico e encarecem nossos produtos nos mercados interno e externo. Precisamos transformar o sistema logístico em algo estimulante e capaz de pesar menos no custo Brasil”, disse o presidente da frente parlamentar, deputado Luiz Pitiman (PMDB-DF).Segundo a frente parlamentar, dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontam que a soja brasileira é mais barata que a de outros países quando sai da área rural, mas acaba se tornando mais cara por causa da deficiência logística.
A CNI calcula que o transporte de 1 tonelada de soja produzida no norte de Mato Grosso para Xangai, na China, passando pelo Porto de Santos, pode chegar a 180 dólares (cerca de R$ 365). Em comparação, levar 1 tonelada de soja de Davenport, nos Estados Unidos, para a mesma cidade chinesa custa 108 dólares (cerca de R$ 219). O custo do transporte representa 19% do valor final do produto norte-americano, comparado a 30% do brasileiro.
A frente parlamentar também cita estudo da Fundação Dom Cabral que estima em 80 bilhões de dólares (cerca de R$ 162 bilhões) as perdas anuais das empresas brasileiras geradas pela falta de investimentos públicos no setor de logística (portos, aeroportos, rodovias e ferrovias).
Os integrantes da frente avaliam que as deficiências no setor de transportes prejudicam a agricultura, a mineração, a indústria e, principalmente, a competitividade nacional. Os parlamentares também citam, entre as consequências dessa deficiência, os acidentes de trânsito com milhares de vítimas que ocorrem anualmente.
O seminário terá debates sobre problemas específicos dos transportes rodoviário, ferroviário, fluvial, aéreo, marítimo e portuário, além do transporte por dutos, utilizado para a movimentação de cargas sólidas e de combustíveis.
Segundo dados da frente parlamentar, cerca de 60% da carga movimentada no País utiliza as rodovias. Pela malha ferroviária, passam cerca de 20% da produção do Brasil (esse percentual é de 81% na Rússia, 46% no Canadá e 43% nos Estados Unidos). O modal aquaviário brasileiro responde por 11,4%, o dutoviário por 3,5% e o aéreo por apenas 0,1% do transporte de carga.
Apesar da concentração no modal rodoviário, a Confederação Nacional do Transporte (CNT) verificou que, dos 92.747 km de rodovias asfaltadas, mais da metade estava, em 2011, em condição regular, ruim ou péssima. Apenas 12,6% das estradas estão em bom estado.
Durante o seminário, também serão discutidos temas como concessões e a adoção de parcerias público-privadas (PPPs) em obras de rodovias. Essa iniciativa já está prevista no Programa de Investimento em Logística, lançado em agosto pelo governo federal.