E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Atentado mata 8 e fere 78 no Líbano. Veja fotos.


Wissam al-Hassan, autoridade da área de inteligência do Líbano, morreu na ataque que atingiu o centro de Beirute, no Líbano, nesta sexta-feira, 19. Ao menos oito pessoas morreram e 78 ficaram feridas. "Eu só posso dizer que é verdade, ele está morto", afirmou um funcionário, que trabalhava com Al-Hassan.
A participação de Al-Hassan foi crucial na recente investigação que desvendou os planos para um ataque a bomba, levando um político libanês aliado do presidente da Síria, Bashar al-Assad, à prisão.
Especula-se que, por isso, a autoridade poderia ser um alvo específico, em um período de elevadas tensões entre facções libanesas, que estão em lados opostos no conflito sírio.A bomba explodiu no bairro Al Ashrafiya, de maioria cristã - e na rua onde fica localizado o escritório do partido Falange Cristã, que é anti-Assad.
A guerra na vizinha Síria, que já matou mais de 30 mil pessoas, colocou a maioria de insurgentes sunitas contra o presidente Bashar al-Assad, que é da seita alauíta, ligada ao islamismo xiita.
O ministro sírio de Informação, Omran al-Zohbi, qualificou o episódio como "um ataque terrorista e covarde, injustificável onde quer que aconteça".
Diversos carros ficaram destruídos e a frente de um prédio de vários andares foi destruída. Moradores correram em pânico procurando por parentes, enquanto outros ajudavam a carregar os feridos para as ambulâncias.
Ambulâncias foram enviadas às pressas ao local, enquanto a fumaça podia ser vista subindo da região. A explosão ocorreu durante o horário de pico, quando muitos pais estão buscando seus filhos na escola.
As equipes da Defesa Civil e de Cruz Vermelha também levaram as vítimas aos hospitais da região.
Logo cedo a Síria repudiou o ataque e através de seu porta-voz, o presidente sírio disse lastimar o uso da violência e isentou-se de responsabilidade.
Muçulmanos sunitas saíram às ruas e queimaram pneus em todo o Líbano num protesto contra a morte de Wissam al Hassam. Enfurecidos pelo crime, os manifestantes bloquearam estradas no vale do Bekaa (leste), em Akkar (norte), em Sidon (sul) e em vários bairros de Beirute.


(Com agências internacionais)