E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Após eleição presidencial, cresce a tensão na Venezuela (Atualizada)


Instantes atrás carros de combate teriam sido mandados para as ruas próximas ao palácio presidencial em Caracas. Não há informações sobre quais as ordens recebidas pelos militares, mas o clima é tenso na Venezuela após o encerramento da votação nas eleições presidenciais deste domingo. Ativistas ligados à candidatura de Henrique Capriles acusam os chavistas de impedirem os observadores internacionais de entrar no local onde estão sendo apurados os votos.
Duas pesquisas de boca de urna divulgadas na noite deste domingo divergem quanto ao resultado da eleição presidencial venezuelana. Uma delas afirma que o vencedor foi o presidente Hugo Chávez e a outra, que foi o adversário Henrique Capriles.
Pesquisas de boca-de-urna são proibidas na Venezuela, e, por isso, os resultados só puderam ser obtidos por meio de vazamentos à mídia estrangeira.
O CNE (Conselho Nacional Eleitoral) também não divulga números parciais da apuração. A expectativa é a de que o anúncio do resultado final só ocorra na madrugada.
Conforme a edição francesa do site Huffington Post, pesquisas feitas nas ruas pelo Instituto ICS afirmam que Chávez foi reeleito com 54,8% dos votos contra 43,8% de Capriles. Outra pesquisa, da consultoria Varianza, aponta vitória de Capriles com 51,3% dos votos contra 48,06% do atual mandatário. Nenhuma das pesquisas informou o número de entrevistados ou a margem de erro.
Atualização
Mesmo sem dados oficiais, chavistas já comemoram, enquanto correligionários de Capriles lamentam a derrota, através das redes sociais. A diferença, segundo números oficiosas passará de 1 milhão de votos a favor de Chávez que, assim, poderá permanecer no poder até 2019, completando 20 anos no governo.