E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Lula desmente Veja e diz que jamais se encontrou com Valério

No dia em que o Supremo Tribunal Federal inicia a fase mais aguda do julgamento do Mensalão, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nega que tenha recebido o empresário Marcos Valério, pivô do escândalo, no Palácio do Planalto ou na Granja do Torto. Em conversa com o governador da Bahia, Jaques Wagner, na noite de sexta-feira, Lula desmentiu a revista Veja e disse que nem conhece Valério.“Tenho certeza de que esse cidadão nunca esteve com Lula. Posso garantir que isso é mentira”, afirmou Wagner, numa referência à reportagem da revista Veja desta semana. Segundo a publicação, Valério confidenciou a amigos e parentes que Lula era o “chefe do mensalão” e que o caixa clandestino do PT foi de R$ 350 milhões, mais que o dobro da cifra descoberta pela Procuradoria-Geral da República depois que estourou o escândalo, em 2005.
Lula conversou com o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu e com o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, nos últimos dois dias, e disse que ficaria em silêncio. A partir desta semana, o Supremo Tribunal Federal começará a julgar o “núcleo político” do mensalão e Dirceu é o réu mais emblemático, acusado de ser o “chefe da quadrilha” instalada no coração do governo.
“Sofremos um golpe baixo. É uma indignidade o que estão fazendo” afirmou Lula, em diálogo reservado, após saber do teor da reportagem de Veja.
Na avaliação do governador da Bahia, há uma tentativa articulada de adversários, com objetivos eleitorais, para carimbar o PT como partido de bandidos. “Não somos santos, mas também não somos marginais”.
Wagner externou a avaliação feita por muitos petistas, inconformados com o que chamam de “politização” do julgamento. “Todo julgamento deveria ser frio, mas esse recebeu muita pimenta, para reaquecer a crise de 2005”, constatou. “Mesmo assim, não acho que haverá um tsunami com a decisão do Supremo, até porque o julgamento político-eleitoral do PT já ocorreu nas eleições de 2006, 2008 e 2010. A cassação do Zé Dirceu, por exemplo, foi muito mais forte.”
Questionado sobre a cifra de R$ 350 milhões, Wagner disse não saber quanto o PT arrecadou para as campanhas municipais de 2004. “Aliados ficaram irritados porque não receberam a ajuda prometida. Prometeram mais do que conseguiram.” (Agência Estado)