E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

sábado, 1 de setembro de 2012

Grupo Sonhus homenageia Pink Floyd e e "O Mágico de OZ", em Goiânia


O Grupo Sonhus Teatro Ritual faz uma homenagem à banda de rock Pink Floyd, com o álbum 'The Dark Side of The Rainbow', e ao filme 'O Mágico de OZ'. Dirigida pelo mímico e dramaturgo Miquéias Paz, a peça será apresentada neste sábado (1º) e domingo (2), no Teatro Sesi, em Goiânia, às 20 horas e 19 horas, respectivamente, para contar a história de dois espantalhos andarilhos que na jornada pelo mundo se deparam com as humanidades.Para comemorar os 16 anos do grupo, o título da peça vem com um nome que identifica a maneira como os goianos perguntam sobre as coisas, ‘Q.Q.ISS?!’. A estreia ocorreu em junho, deste ano, e a fase de circulação do espetáculo começa por Goiânia. Na agenda de 2012, consta ainda performances em São Paulo e na Colômbia.
Enredo
Pendú é um espantalho que está preso em sua rotina de trabalho: cuidar da plantação. Meses, anos podem ter se passado sem que ele tivesse se movido. Um dia, ele conhece Camí, um espantalho andarilho que fugiu da roça para percorrer o mundo. Curiosa, a dupla parte pelos campos sem fim, se aventurando na fantástica jornada em busca do desconhecido.
Amor, solidão, amizade, trabalho, sonhos e a luta pela sobrevivência acompanham o par de destemidos nas trilhas que seguem por escolha própria, ou nos caminhos em que são colocados pela força da natureza.
Tecnicamente, o espetáculo compõe um mix da pantomima e a mímica corporal dramática, associadas a outras técnicas (como o teatro de bonecos, de animação e o teatro de máscaras), que contribuem para fazer fluir a narrativa, sem texto.
Trilha sonora
Os espantalhos vivem suas aventuras e descobertas embalados pelas canções do álbum The Dark Side of The Moon, obra-prima do grupo britânico Pink Floyd. Apropriadas para a discussão, as letras buscam reflexão sobre as pressões da vida contemporânea: o tempo, o dinheiro, a loucura e a morte.
É por meio da trilha sonora que o espetáculo faz referência ao fenômeno The Dark Side of The Rainbow, que se consolida na reprodução simultânea do álbum conceitual do Pink Floyd, gravado em 1973, e do filme O Mágico de Oz, dirigido por Victor Fleming, em 1939. Disseminado principalmente pelas mídias sociais, desde 1994, o fenômeno revela diversos momentos em que uma obra dialoga com a outra, seja por meio das letras das músicas, ou da sincronia audiovisual e melódica. Ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Estudantes, idosos acima de 60 anos e industriários mediante comprovação pagam meia-entrada.