E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Denúncia pede cassação de Maurino Magalhães, prefeito de Marabá (PA)


Na manhã desta quarta-feira (12), depois de várias tentativas frustradas, mais um pedido de cassação do prefeito de Marabá Maurino Magalhães foi protocolado na Câmara Municipal. A Câmara já negou seguimento a diversos pedidos similares por conterem vícios formais, mas desta vez o pedido, aparentemente, preenche todos os requisitos exigidos para garantir sua tramitação.

A denúncia assinada por Francisco Pereira Neto (na foto acima) e articulada pelos sindicatos que representam os servidores municipais, discorre sobre diversas irregularidades cometidas por Maurino e seu vice, Nagilson Amoury. Entre outras coisas, o prefeito e o vice são acusados de apropriação indevida de parte dos salários dos funcionários do município. É que Maurino não vem repassando aos bancos e outras instituições de crédito os descontos efetuados nos contra-cheques dos barnabés. Assim, cresce a inadimplência entre os servidores e o sentimento de revolta ameaça contagiar a todos.
O pedido de cassação será devidamente analisado pela assessoria jurídica da Câmara que deve emitir parecer nos próximos dias. A manifestação dos advogados versará apenas sobre os aspectos formais do pedido. Estando tudo em ordem, a denúncia seguirá para apreciação pelo Plenário que optará pelo arquivamento ou pela apuração dos fatos descritos na Inicial.
A cassação de Maurino não deve alterar em nada a disputa pela prefeitura de Marabá. Muito distante dos líderes (João Salame e Tião Miranda), Maurino caminha para um final de mandato melancólico que é tanto mais desagradável de ver quando leva-se em consideração a enorme esperança que o cercava.
A história de um trabalhador da roça, evangélico, pouco alfabetizado e sem grandes articulações políticas que chega a ser prefeito de uma das maiores cidades do Pará, justamente no começo de um ciclo de desenvolvimento sem paralelo em sua história recente, poderia virar roteiro de cinema. Por conta da incapacidade gerencial e da condução política inadequada, o filme não parece caminhar para um final feliz.
Ruim para Maurino, pior para Marabá.
A cidade, considerada o Tigre da Amazônia, precisará reagir rapidamente para romper a estagnação dos últimos oito anos e se firmar como a principal locomotiva do futuro estado do Carajás.  
Segue abaixo imagens da denúncia contra Maurino e Nagilson. Logo o blog publicará a íntegra do pedido de cassação.