E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

terça-feira, 17 de julho de 2012

IML do Paraná trabalha para identificar paraenses mortos em acidente. Avião da FAB trará os corpos para Belém.


O governador Simão Jatene solicitou, na manhã desta terça-feira (17) ao ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, José Elito Carvalho Siqueira, a cessão de um avião das Forças Armadas para a condução dos corpos dos 10 paraenses que morreram no acidente ocorrido na segunda-feira (16) no Km 155 da rodovia PR-090, na localidade de Piraí do Sul (a 184 km de Curitiba, capital do Paraná). A aeronave foi liberada e o traslado para Belém só está dependendo da conclusão da identificação dos estudantes que morreram na tragédia.
O Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba informou que ainda trabalha na comparação datiloscópica feita com as impressões digitais encaminhadas ao órgão na manhã desta terça-feira (17), pela Polícia Civil do Pará. Segundo a direção do IML, o procedimento faz parte das exigências médico-legais para a liberação de cadáveres em processo de identificação. O instituto não informou se o trabalho será concluído nesta terça, já que se trata de um procedimento minucioso.
O trabalho de identificação dos corpos foi feito pelo IML de Ponta Grossa, no Paraná, com a colaboração do IML do Pará. “Também já mandamos para lá representantes da nossa Defesa Civil e Corpo de Bombeiros, para auxiliarem as equipes do Paraná. Esse momento é de nós nos unirmos e fazermos orações. Primeiro pela alma dos que se foram e segundo para dar forças às famílias que ficam”, enfatizou Simão Jatene.
O governador também conversou, por telefone, com o governador do Paraná, Beto Richa, que garantiu completa assistência médica e psicológica às vítimas do acidente, a maioria estudantes. “Conversei com ele e pedi para que ele não medisse esforços para tentar minimizar a dor dos paraenses que sofreram esse triste e lamentável acidente”, concluiu. Em Belém, um grupo formado por dez psicólogos do hospital Ofir Loyola, sendo um médico, dois técnicos de enfermagem e cinco socorristas da Cruz Vermelha, estão dando todo o atendimento e suporte aos familiares dos estudantes.
Veja fotos abaixo. (Com informações da Agência Pará)