E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

sábado, 30 de junho de 2012

Em Marabá, Salame e Luiz Carlos começam hoje a luta por Marabá e Carajás


Será hoje (30), a partir das 17h, na Câmara Municipal, com a convenção dos partidos que formam a Terceira Via em Marabá, que teremos a largada para a mais importante eleição municipal da região de Carajás e, sem exagero, tão ou mais emblemática que a eleição de Belém. João Salame Neto (PPS), candidato a prefeito e Luiz Carlos Pies (PT), candidato a vice, serão confirmados perante uma plateia formada por autoridades, lideranças e militantes das diversas legendas.
João Salame (PPS) vem cacifado por uma atuação impecável à frente da luta pela criação do Estado do Carajás, durante o Plebiscito de dezembro passado. Mostrou ao longo do processo que, mais maduro e experiente, é capaz de conciliar e compor interesses diferentes e até divergentes em nome de uma visão estratégica. Sem dúvida, saiu do processo com um resultado eleitoral adverso, mas com uma esplêndida vitória política. Quantos podem se gabar de terem enfrentado a mão pesada de um governador que não teve qualquer pejo de, despindo-se da liturgia do cargo, operar pessoalmente e através de terceiros, uma das mais virulentas campanhas contra seus oponentes? Quando se viu uma coesão eleitoral em qualquer região acima de 95%? E, é sembre bom lembrar, João ajudou a construir este fenômeno.
Após o Plebiscito, Salame teve a paciência e a habilidade necessárias para costurar um leque de apoio que alinha Marabá ao eixo nacional, contando com o PMDB, partido de maior bancada federal e que em Marabá conta com personagens como Nagib Mutran, Asdrúbal Bentes e Ítalo Ipojucan, sem esquecer do PT, partido de Dilma, presidente melhor avaliada de todos os tempos e que em Marabá agrega Luiz Carlos Pies, a deputada Bernadete e a vereadora Toninha, além da famosa militância petista.
Para chegar a esta convenção, João superou uma campanha sistemática que, a cada semana, por motivos diferentes, o colocava nos braços de Jatene e Tião. Era a forma que os adversários encontraram para tentar reduzir o impacto que a unidade entre tantos e tão experientes políticos causaram na candidatura do favorito Tião. Aos poucos, Salame demonstrou que existia a viabilidade eleitoral para uma "terceira via"; depois precisou demonstrar que seu nome era a melhor alternativa e, por fim, demonstrou que a tarefa exigia a participação e o compromisso de todos.
Agora, João Salame, candidato a prefeito e Luiz Carlos Pies, seu vice, contarão com o apoio de partidos importantes e representativos como o PV de Bichara, o PMDB de Asdrúbal, o PMN e o PDT de Júlia Rosa, para a maior empreitada de suas vidas. Como João já demonstrou, derrotar Tião Miranda, candidato de Simão Jatene (o governador do NÃO à Carajás; do NÃO à Alpa; do NÃO à Marabá), será obra de muitos ou não será. Porém, mais importante que derrotar Tião, será dotar Marabá de um verdadeiro projeto de desenvolvimento econômico e social que contemple todos os setores da nossa sociedade, com geração de emprego e formação de mão-de-obra, mas sem esquecer das necessárias melhorias em saúde e educação, segurança e transporte.
Não há dúvida que João e Luiz Carlos estão prontos para encarnar este projeto moderno e desenvolvimentista que Marabá precisa. Deverão, agora, apresentar suas propostas e pedir o voto de confiança do eleitor que anda escabreado com a política e os políticos. Uma tarefa nada fácil.
Insisto: Pela dimensão que esta eleição ameaça alcançar, por ser Marabá, politicamente, a cidade mais importante, por Jatene acreditar que seu candidato já estava eleito e agora, perceber que o jogo ainda não foi jogado, pela enorme importância para a luta por Carajás que significará a eleição de João; por tudo isso, todos os olhos estarão sobre Marabá nestas eleições e aqui sentiremos mais fortemente as tentativas de intervenção de Jatene e sua turma. É bom que estejamos todos preparados.
Daqui do blog, os votos de sucesso para João Salame e Luiz Carlos, que além do compromisso com Marabá, são capazes de manter vivo o sonho de construir o Estado do Carajás.