E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

sábado, 23 de junho de 2012

Alemanha garante que colaboração com Paraguai está mantida. Franco diz que procurará "harmonia" com Brasil

Apesar do aparente "cerco" que vem sofrendo por parte de seus vizinhos, o novo presidente do Paraguai, Federico Franco, recebeu o reconhecimento de pelo menos um país de peso.
Durante a coletiva realizada hoje no Palácio do Governo, hoje (23), o embaixador encarregado de negócios da Alemanha afirmou que "os resultados das votações ocorridas no Congresso são mensagens claras". O embaixador completou dizendo que, para a Alemanha, "é importante que todos as trocas (no poder) se realizem de acordo com as leis institucionais do País" e afirmou que todos os diversos projetos de cooperação entre os dois países estão mantidos.
Franco ainda não confirmou presença na cúpula do Mercosul que acontece na próxima semana, na Argentina. A presidente da Argentina, Cristina Kirchner chegou a afirmar que a deposição de Lugo, por incompetência, teria sido "um golpe de estado".
A Igreja Católica também declarou apoio a Franco. O núncio da Igreja Católica no Paraguai, Eliseo Antonio Ariotti, disse hoje (23) que o novo presidente Federico Franco pode contar com o apoio dos católicos para exercer os 11 meses de governo que tem pela frente. Segundo ele, o país viveu momentos delicados, mas agora é tarefa de todos contribuir para a normalização da situação. No país, cerca de 90% dos 7,3 milhões habitantes são católicos.
“O Paraguai viveu momentos muito delicados. Mas, neste momento, temos de continuar a dar, cada um, o melhor. Há a necessidade de dar força e continuidade no caminho da justiça e da paz”, disse o arcebispo, que se reuniu hoje com Franco por cerca de meia hora, no palácio do governo.
O arcebispo marcou para as 16h uma missa, na qual abençoará o governo Franco e vai ler uma mensagem do papa Bento XVI para o novo presidente. “Hoje, na catedral, vamos rezar pela paz. Neste momento, estamos apoiando as autoridades do país”, ressaltou o religioso.
Na segunda entrevista coletiva após tomar posse, o novo presidente do Paraguai, Federico Franco, escolheu o Brasil como tema principal. Franco disse hoje (23) que espera manter com o país vizinho e a presidente Dilma Rousseff relações harmônicas, assim como garantiu que preservará os direitos e a segurança dos brasiguaios (agricultures brasileiros que moram em território paraguaio). Ele avisou ainda que aguarda da União das Nações Sul-Americanos (Unasul) apoio para governar.
“Temos esperanças de manter as relações harmônicas e proporcionais com o Brasil”, destacou ele, que respondeu a várias perguntas de jornalistas brasileiros. Franco não acredita em sanções por parte do Brasil ao Paraguai. “Não acredito que o Brasil aplicará sanções, pois os mais afetados seriam os empresários brasileiros que investem no Paraguai, principalmente, em Ciudad del Este”, disse. “Eu descarto [o risco de sanções]. Sou uma pessoa otimista. Há muitos empresários brasileiros investindo hoje no Paraguai”, reforçou o presidente empossado ontem (22).