E como os brados no Mundo podem tanto, bem é que
bradem alguma vez os pregadores, bem é que gritem
Pe. Antonio Vieira

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Em Goiás, polícia procura arma usada para degolar vítimas da chacina de Doverlândia


O Grupo Tático da Polícia Civil de Goiânia juntamente com a equipe de peritos foram até a fazenda Nossa Senhora de Aparecida, que fica na zona rural de Doverlândia, no sudoeste de Goiás, para tentar localizar a faca usada na chacina que matou sete pessoas que estavam no local, no último sábado (28).
Um dos suspeitos que confessou ter participado da chacina foi levado de helicóptero para a fazenda. Eles passaram toda a manhã desta quarta-feira (2) na propriedade para que a polícia pudesse checar os dados informados pelos suspeitos durante o depoimento. Os peritos querem localizar a faca usada nas execuções. O que já se sabe é que o jovem pegou a arma na cozinha da casa da avó. Segundo a polícia, a equipe deve permanecer no local durante toda a tarde desta quarta-feira.
Até esta quarta-feira, três pessoas já foram presas suspeitas de participar da chacina em Doverlândia. Segundo a polícia, uma está na cidade e as outras duas na capital. De acordo com a Polícia Civil, um dos três suspeitos presos por participação na chacina, disse em depoimento que receberia R$ 50 mil pelo crime. Detido na cidade onde o crime aconteceu, o jovem de 22 anos confessou a participação na morte de sete pessoas, degoladas em uma fazenda no último sábado (28). O alvo era o dono da propriedade e as outras pessoas acabaram mortas para evitar testemunhas. O sobrinho do fazendeiro Lázaro de Oliveira Costa e o sogro de seu filho Leopoldo Rocha Costa, estavam no velório das vítimas em Frutal, Minas Gerais, quando foram presos. Os dois estão presos desde segunda-feira, 30, após terem sido citados no depoimento de Aparecido Sousa Alves, 22, que confessou o crime dizendo que receberia R$ 50 mil pela morte do fazendeiro. (Com informações e foto do G1e Jornal Opção)